Pimenta

Caso das horas extras nas mãos de Sergio Moro e Jetom para comissões

O vereador Dafé, de Birigui (SP), protocolou denúncia no Ministério da Justiça pedindo apuração

Da Redação - Hojemais Araçatuba
27/02/19 às 19h45
Vereador não concorda com a rejeição da CP (Comissão Processante) na Câmara (Foto: Aline Galcino)

O vereador Benedito Dafé Gonçalves Filho (PV) protocolou, no Ministério da Justiça, em Brasília (DF), denúncia sobre as horas extras excessivas praticadas na Prefeitura de Birigui (SP) e suposto sistema fraudulento de divisão de dinheiro entre os envolvidos. A pasta é comandada pelo ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro.

O pedido é para que o caso seja investigado, pois supostamente um grande esquema de corrupção pode estar ocorrendo, conforme sindicância da própria Prefeitura - uma cópia do processo foi anexada à denúncia.

Queria CP

O vereador não concorda com a rejeição da Câmara na apuração dos fatos e acredita que na esfera federal tal processo pode ter um desfecho mais rápido. “A população não aguenta mais ser enganada e possíveis atos de corrupção devem, sim, ser apurados com total transparência, pois é dinheiro do povo que muitas vezes deixa de ser investido para o bem comum”, explicou Dafé.

Os crimes

No documento entregue em Brasília, o vereador explica que três crimes podem estar ocorrendo. O primeiro é o número excessivo de horas extras praticado; o segundo, um esquema de desvio de recursos, com ameaças e coação a funcionários que prestaram depoimentos à comissão de sindicância; e o terceiro, possível prevaricação do chefe do Executivo, Cristiano Salmeirão (PTB), pois mesmo após conhecimento dos fatos “se manteve inerte à situação.”

Documento protocolado no Ministério da Justiça (Foto: Reprodução)

Jetom

Mesmo indiretamente, mas também relacionado à sindicância que apura as horas extras, Salmeirão protocolou na Câmara, projeto de lei que institui o pagamento de Jetom (gratificação) aos membros das comissões permanentes de sindicância e de disciplina no âmbito da Prefeitura.

Pela medida, o presidente da comissão de ética e disciplina receberá R$ 1,7 mil  mensais, além da remuneração do cargo, enquanto os membros titulares receberão R$ 900. No caso da comissão permanente de sindicância, a gratificação será de R$ 1,4 mil para o presidente e R$ 700 aos membros. Os suplentes também serão agraciados.

Impacto

O impacto financeiro da medida calculado para este ano é de R$ 84,35 mil, considerando o período de fevereiro a dezembro.

O projeto não informa quantas sindicâncias estão em andamento no município, mas ressalta a dedicação dos membros sem que sejam dispensados dos serviços normais.

Com a Prefeitura “quebrada”, como o próprio prefeito define, será que a medida passa?

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM PIMENTA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.