Viver Mais

Com aumento de 50% de depressão na pandemia, psicólogo orienta como buscar ajuda profissional

Pesquisa também identificou aumento de 88% na busca de psicoterapia on-line

Da redação - Hojemais Araçatuba
15/09/21 às 22h30

Setembro Amarelo é uma campanha que tem o objetivo de alertar para a valorização da vida e conscientizar a sociedade para o acolhimento do outro.

Uma pesquisa realizada pela (UFRGS) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, registrou aumento de 80% nos quadros de ansiedade durante a pandemia, enquanto outro estudo divulgado pela UFRJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) apontou aumento de 50% nos quadros depressivos.

Se a pauta sobre a conscientização da saúde mental já era essencial, no momento em que vivemos ela se torna ainda mais urgente.

Segundo o Google Trends, houve um aumento de 88% nas buscas por psicoterapia on-line que demonstra também a efetividade das campanhas realizadas. Porém, só o alerta não é o suficiente para garantir um acolhimento efetivo, é preciso que essa pessoa que busque ajuda, encontre alguém a quem realmente possa se conectar e atender suas necessidades. 

A busca por um psicoterapeuta pode, muitas vezes, esbarrar em obstáculos como: “Dentre as várias abordagens de psicoterapia, qual é a melhor para mim?”; “Onde procurar um psicólogo?”; “Como saber se escolhi o profissional correto?”; “Eu preciso entender de Psicologia para fazer psicoterapia?”, etc. Todos esses questionamentos são corriqueiros, porém, podem gerar ansiedade e fazer a pessoa desistir da sua busca.

Então, para ajudar nessa tarefa, o psicólogo e professor de psicologia do UniToledo, Fabrício Otoboni, indica alguns pontos que devem ser considerados. 

 

(Foto: Divulgação)

Não existe abordagem ou terapeuta ideal

Não existe uma abordagem ideal para o sofrimento humano. O vínculo terapêutico é de extrema importância para a melhora do paciente, mas ele não é o suficiente. Pois, temos que pensar em dois aspectos."

A capacidade teórica e prática do profissional, know-how sobre as questões do sofrimento humano, como depressão e suicídio, bem como as questões relacionadas aos pacientes, que devem ter o desejo de mudança, enfrentando o desconforto e com objetivo na melhora da qualidade de vida, orienta o psicólogo.

Certifique-se da capacitação técnica do terapeuta

Hoje, temos muitas formas de pesquisa, como a internet, mídias sociais e indicação de amigos. Além das opções nos planos de saúde e SUS (Sistema Único de Saúde). É importante ler bastante a respeito do profissional que você escolher. Além disso, o paciente precisa entender que ele tem um sofrimento psicológico e precisa de ajuda. Não se trata de frescura, não é falta de pensamento positivo ou garra, mas ele pode estar sofrendo de uma psicopatologia e precisa da ajuda de um psicólogo ou, talvez, medicamentosa por meio de um psiquiatra.

Você precisa se sentir acolhido e confortável

"A principal função do psicólogo é fazer com que o paciente se sinta acolhido com o seu sofrimento. O psicólogo não julga o problema do paciente. Ele entende como foi construído o sofrimento ao ponto de chegar ao estado de querer tirar a própria vida, por exemplo. Nos colocamos no lugar do paciente para explicar como aquele pensamento foi construído até aqui, para que no processo de elaboração ele consiga ver a sua vida numa nova perspectiva", indica Otoboni. 

Se não der certo de primeira, não desista

"É preciso voltar ao vínculo psicoterapeuta e paciente. Se você não sentir confiança no profissional, não significa que os outros não valem a pena conhecer. Significa que com aquele profissional específico, talvez o processo de confiança e elaboração de conflitos não deu certo. É preciso procurar ajuda com outro profissional", finaliza o docente.

 

 

 

 

 

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM VIVER MAIS
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.