Ciência e Tecnologia

Pesquisadores da UFRJ descobrem micro-organismos em âmbar raro no Brasil

Fósseis remontam à história brasileira no Gondwana, continente único que ligava a América do Sul e a África, com mais de 125 milhões de anos

Sidney Coutinho - Conexão UFRJ
11/10/21 às 18h58

Pesquisadores da UFRJ realizam uma descoberta inédita no Brasil: fósseis de protozoários preservados em âmbar, com idade estimada entre 125 e 145 milhões de anos. O material coletado poderá ajudar em estudos sobre antigos depósitos de rios e lagos, que remontam a um momento da história geológica da Terra em que a América do Sul e a África ainda formavam um único continente, o Gondwana.

O artigo com o trabalho dos pesquisadores Thiago da Silva Paiva, do Instituto de Biologia (IB), e Ismar de Souza Carvalho, do Instituto de Geociências (Igeo), foi publicado em 27/9 na Scientific Reports , que é uma revista do grupo Nature. O trabalho faz parte de uma série de estudos que, além de descrever as primeiras espécies microscópicas imersas em âmbar em nosso país, amplia o conhecimento sobre a diversidade de micro-organismos do passado da Terra e sua história evolutiva.

As primeiras amostras com os fósseis foram encontradas em rochas do entorno da cidade de Salvador, na Bahia, pelo professor Leonardo Borghi, do Igeo. Posteriormente, novas amostragens revelaram a presença de âmbar no material agora descrito. O âmbar, também conhecido como resina fóssil, é extremamente raro no Brasil e os vestígios nele incrustrados são conhecidos pelo excepcional estado de preservação das estruturas anatômicas. Elas podem se manter tão intactas a ponto de revelar dados importantes sobre os hábitos de vida dos animais e plantas assim fossilizados.

Entre os micro-organismos encontrados, está a espécie Palaeohypothrix bahiensis , que representa uma linhagem evolutiva extinta de protozoários ciliados, até então desconhecida pela ciência. Os ciliados são seres comuns em ambientes terrestres e aquáticos, também são importantes bioindicadores para o monitoramento de qualidade de água e solos, além de algumas espécies possuírem importância biotecnológica quanto à prospecção de moléculas bioativas.

A. Palaeohypothrix bahiensis incluso no âmbar. B. Reconstrução feita a partir de diversas imagens segmentadas. C. Euplotes raikovi, uma espécie vivente da classe Spirotrichea, à qual também pertence P. bahiensis | Foto: Divulgação

A importância da descoberta para a ciência brasileira, segundo Thiago da Silva Paiva, está em avançar nos estudos dos primeiros seres vivos do planeta .

Os protistas habitam nosso planeta há cerca de 1,8 bilhão de anos, e são elementos importantíssimos nos ecossistemas como um todo, mas cujo registro fóssil é relativamente escasso. Por isso, ainda sabemos pouco sobre a evolução da maioria dos grupos. A descoberta de um representante de uma linhagem provavelmente extinta, diferente das que conhecemos hoje, ajuda a compor o quebra-cabeça da história natural desses micro-organismos e reforça a hipótese de que são suscetíveis a eventuais processos de extinção, assim como ocorre com animais e plantas .

Thiago da Silva Paiva, pesquisador da UFRJ

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria / Kris Schornobay / Amaro de Oliveira
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.