AO VIVO
Cotidiano

Prefeito Ulisses Maia apresenta estudos sobre a negociação da indenização da TCCC

Município cogita a hipótese de pagamento mensal de subsídios, que diminuiriam a tarifa do transporte público e amenizariam o impacto da indenização calculada em R$ 132 milhões pela concessionária

Victor Faria - HojeMais Maringá
01/02/22 às 07h00

O Prefeito Ulisses Maia (PSD) apresenta nesta terça-feira (1º), na CMM (Câmara Municipal de Maringá), estudos que foram feitos em relação a indenização requerida pela TCCC (Transporte Coletivo Cidade Canção). O HojeMais Maringá apurou que a principal hipótese estudada pelo poder público é o pagamento de subsídios mensais à concessionária. Com isso, a empresa não iria prosseguir com a demanda judicial da indenização - avaliada em R$ 132 milhões - e a tarifa iria diminuir.

Não há ainda valores fechados de quanto seria esse subsídio e tampouco os novos valores de tarifa que seriam praticados pela empresa. Segundo o Secretário de Governo da administração, Hércules Kotsifas, a administração está fazendo alguns estudos sobre essa possibilidade e isso deve ser abordado pelo prefeito na primeira sessão do legislativo em 2022. "Estamos finalizando alguns estudos nessa linha. Amanhã o prefeito apresentará na Câmara dos vereadores", disse o secretário.

A TCCC avaliou seu prejuízo, por falta de compensação financeira - seja por elevação de tarifa, ou subsídio da Prefeitura - em R$ 132 milhões. O levantamento foi feito pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). A empresa de transporte quer que o município a indenize, para que seja cumprido o equilíbrio financeiro celebrado em contrato com a Prefeitura de Maringá. O montante não leva em consideração as correções dos períodos.

Sobre os estudos que estão sendo feitos, a empresa destacou que não há acordo fechado, muito embora as negociações estejam sendo feitas constantemente. "Diante da magnitude do processo a empresa e o município estão constantemente se debruçando sobre o assunto e esperamos em breve chegar um bom termo. Por ora só posso dizer que estamos dialogando com o município", disse o advogado da empresa, Fabiano José Moreira.

Segundo o advogado, havia dois processos que foram juntados na justiça. O primeiro foi aberto em 2019 e, segundo Moreira, a TCCC pleiteava a recomposição de cálculos da tarifa, dada a diminuição no número de passageiros, que estaria incongruente ao que foi acordado no contrato assinado em 2011. O segundo processo veio em março de 2020, quando a pandemia levou a quase zero o número de passageiros da cidade. A prefeitura de Maringá contratou a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) para avaliar os estudos de impacto que foram feitos pela empresa.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM COTIDIANO
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria / Amaro de Oliveira / Anderson Lopes
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.