AO VIVO
Economia

Com mudanças no ICMS, Maringá perde R$ 12 milhões em repasses para educação e saúde

Valor total que município deverá perder com a diminuição das alíquotas do tributo é de R$ 30 milhões, segundo o secretário de Fazenda, Orlando Chiqueto

Victor Faria - HojeMais Maringá
29/06/22 às 13h53

Com as mudanças nas alíquotas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que foram aprovadas pelo congresso nacional e sancionadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), Maringá deve perder aproximadamente R$ 30 milhões em repasses do Estado. A informação é do secretário de Fazenda de Maringá, Orlando Chiqueto, a partir de um estudo realizado pela FNP (Federação Nacional dos Prefeitos).

Com isso, o impacto direto no repasse de recursos para as pastas de Educação e de Saúde deve ter uma baixa de R$ 12 milhões, cerca de 40% da verba total que Maringá deixará de receber. A proposta aprovada, coloca teto de 17% no ICMS em produtos de matriz energética, como gasolina, diesel, energia elétrica e gás. A proposição, aprovada pelo congresso, previa compensação para os Estados e municípios, mas o artigo foi vetado pelo presidente.

Pelas proporções previstas no Índice de participação dos municípios, 15% do total dos repasses - R$ 4,5 milhões - deveria ser repassado necessariamente para a Saúde, enquanto 25% - R$ 7,5 milhões - deveria ser repassado a pasta de Educação. Os outros R$ 18 milhões seriam repassados para as outras pastas do município. Segundo Orlando Chiqueto, a ideia é otimizar a máquina pública para conseguir alavancar a arredação da cidade.

"Nós vamos trabalhar para melhorar a eficiência da arrecadação, sem aumentar os impostos. Vamos melhorar a cobrança da dívida ativa, fazendo uma análise das despesas, para reduzi-las de forma que não impacte na qualidade e quantidade de serviços que nós oferecemos à população", explicou o secretário de fazenda.

Ele disse ainda que o município estuda novas alternativas para compensar os recursos que deixarão de ingressar no orçamento da cidade e ressaltou que a queda de R$ 30 milhões é preocupante aos cofres públicos, mas que a pasta trabalha internamente para que a diminuição de arrecadação não seja percebida de forma direta para a população da cidade.

Redução
O governador Carlos Massa Ratinho Jr. (PSD) afirmou em entrevista coletiva em Cambé que deve sancionar a redução das alíquotas do imposto ainda nesta semana. Com as reduções, a expectativa é de que o preço do gás, da energia e, sobretudo, dos combustíveis tenha uma redução bastante significativa. O governo estima que a gasolina fique abaixo dos R$ 6,50. Além da redução do ICMS, a expectativa é de que o Governo Federal zere os tributos da união nessa modalidade de produtos.

A proposta vinha sendo discutida no parlamento para atenuar as crises constantes que se constroem a partir da revisão corriqueira no preço do valor dos combustíveis, que hoje está em PPI (Preço de Paridade de Importação). A proposta causou protestos dos estados e municípios, visto que isso vai gerar queda de arrecadação para prestação de serviços da população, bem como poder de contratação para prestação de serviços públicos.











 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM ECONOMIA
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.