Especial

Corpo de Bombeiros dá dicas para evitar afogamentos; confira

Estima-se que 85% de todos os casos de afogamento podem ser prevenidos por supervisão, instruções de natação, controle tecnológico e educação pública

Bombeiros Maringá - Redação - HojeMais 
23/12/21 às 06h40

Com as altas temperaturas do verão e os feriados de Natal e Ano Novo, a busca pelo divertimento em meio aquático torna-se frequente. A procura por esse tipo de lazer exige medidas de educação pública para reduzir o risco de afogamentos e traumas nestes ambientes.

Conforme estudos de serviços de atendimento pré-hospitalar, estima-se que 85% de todos os casos de afogamento podem ser prevenidos por supervisão, instruções de natação, controle tecnológico e educação pública.

Neste último caso, o Corpo de Bombeiros busca o empenho dos veículos de comunicação em massa na veiculação de conteúdos educativos neste período festivo, para construção de uma consciência coletiva de segurança.

Ainda que a área geográfica de atuação do 5° Grupamento do Corpo de Bombeiros não contenha regiões recebedoras de público massivo como o litoral, prainha de Porto Rico e região, é daqui que parte dos banhistas saem e podem levar consigo informações de segurança.

Além disso, não se deve negligenciar o universo composto pelos frequentadores de piscinas, córregos, rios, lagos e cachoeiras.

Segundo o Corpo de Bombeiros, antes de expor as medidas de educação possíveis para reduzir afogamentos, trazemos um exemplo de atendimento feito na última terça-feira (21).

Ele reforça que por mais técnico e ágil que seja a resposta, o afogamento é tempo-dependente e os esforços de prevenção são os mais eficazes para evitar sequelas e mortes.

Mulher morre em represa de Lobato

Na terça-feira, as linhas de emergência 193 (Corpo de Bombeiros) e 192 (Samu) foram informadas sobre a submersão de uma mulher em uma represa no município de Lobato. I

nstantaneamente, houve um rápido cruzamento das informações que cada serviço recebeu, e se processou a mobilização de recursos dos dois serviços visando a redução do tempo-resposta, uma vez que a chance de sobrevida de vítima de afogamento está nos 60 minutos decorridos da submersão, havendo elevado risco de morte e sequelas neurológicas irreversíveis a partir dos 5 minutos.

Diante do quadro triado, o helicóptero Saúde 10 das Operações Aéreas do Samu Norte Novo, pousou no Quartel Central do 5° Grupamento de Bombeiros, onde dois bombeiros militares com equipamentos para realizar o potencial salvamento da vítima estavam aguardando embarque.

Assim, uma equipe multidisciplinar formada por bombeiros militares e médico do Samu rapidamente foi levada ao local, enquanto recursos complementares por via terrestre foram despachados.

A dupla bombeiro militar, após aplicação de técnicas de salvamento aquático e de busca aquática, localizou um corpo submerso, que foi avaliado em conjunto com o médico. Apesar dos esforços técnicos e da aplicação de todos os meios e recursos disponíveis (humanos e materiais), não foi possível reverter o quadro da vítima, tendo o médico declarado o óbito da mulher de 49 anos. 

Medidas Educativas na praia

Banhe-se em área protegida por guarda-vidas, o que no Paraná é representado por bandeiras na cor vermelho sobre amarelo (vide https://www.instagram.com/p/CTZ6YMRrJSM/);
Respeite a sinalização, bandeiras e orientações emitidas pelos guarda-vidas;
Não superestime a habilidade de natação;
Não entre no mar próximo a pedras, estacas e píeres;
Evite dispositivos infláveis, pois podem levar o banhista para locais profundos;
Busque sempre estar acompanhado na água;
Evite estar sob efeito de bebida alcoólica;
Não tente resgatar alguém sem ter o conhecimento do que você está fazendo;
Mantenha supervisão constante das crianças.
 
Outras fontes de água

Verifique se há posto guarda-vidas em seu balneário fluvial;
Os adultos devem supervisionar de perto as crianças;
Grades de proteção ao redor de piscinas impedem que crianças desacompanhadas caiam na água;
Não deixe brinquedos na piscina, pois podem atrair as crianças;
Não salte de cabeça, especialmente em locais que você desconhece a profundidade e riscos no fundo;
Deixe próximo itens que podem ajudar em um resgate (cabo de vassoura, corda, materiais flutuantes que suportem o peso do banhista), assim como um telefone com sinal;
Dispositivos flutuantes (bóias de braço e de cintura, colchões infláveis, câmaras de ar, pranchas) estão sujeitos a ação de correntezas, podem levar o banhista para áreas mais profundas, contribuindo para afogamento caso perca contato com o dispositivo;
Use filtros de piscina que contenham proteção que evita sucção de cabelos;
Evite estar sob efeito de bebida alcoólica;
Respeite o meio líquido.
 

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM ESPECIAL
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria / Amaro de Oliveira / Anderson Lopes
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.