AO VIVO
Opinião

E agora, quem poderá salvar o Grêmio?

Depois de tentar com Tiago Nunes e Felipão, Tricolor Gaúcho corre atrás de um novo ‘salvador da pátria’ para evitar o rebaixamento

Neto del Hoyo - Dois Toques/ HojeMais Maringá
11/10/21 às 16h44

O Grêmio anunciou a saída de Luiz Felipe Scolari após mais uma derrota, desta vez para o Santos na Vila Belmiro. Após 21 jogos, com 9 vitórias, 3 empates e 9 derrotas, o técnico deixa o clube exatamente na mesma posição de quando pegou, na penúltima colocação do Brasileiro, flertando com a Série B.

O que isso mostra? Muitas coisas. Principalmente a incompetência do Grêmio, que iludiu seu torcedor com contratações que não vingaram e desde sempre figura entre os piores do campeonato. O atestado de péssima gestão vem ao patinar com Tiago Nunes e Felipão na tentativa de sair de lá. 

Quando trouxe Scolari o Grêmio apostou tudo no poder do “fator motivacional” que praticamente rotula esse treinador como o guru do “mete o pé e vai na fé”. Só esqueceu do futebol. Esse mesmo futebol que Felipão mostra a cada nova tentativa de trabalho que já esqueceu faz tempo. 

Na coletiva após a derrota para o Peixe, Felipão foi enfático: “O trabalho é bom”. Horas depois, caiu. Da mesma forma que tentou justificar o injustificável após a derrota humilhante para a Alemanha na Copa de 2014, quando apresentou estatísticas, planilhas e até uma carta da “Dona Lúcia” enquanto apenas dois números interessavam (7 e 1), ele quis dizer que o trabalho do vice-lanterna do Brasileirão é bom. O Grêmio não quis pagar pra ver. Não mais.

A culpa não é só dele, claro, mas também não vamos jogar a poeira debaixo do tapete. Felipão é ídolo do clube, mas não acrescentou, infelizmente. O Grêmio é um time suficiente para a 16ª posição da tabela, e Felipão, com uma ideia atrasada e engessada de jogo, não conseguiu sair do lugar.

Mano Menezes é a bola da vez. Concordo com parte da torcida gremista que torce o nariz para outro técnico que a cada temporada parece ficar mais ultrapassado e não mostra evolução. 

Assim como Felipão, Mano conhece o Grêmio, tem história no clube e é visto como um treinador motivador. Só não podemos nos esquecer que outro ponto em comum entre os dois é muito mais recente do que suas trajetórias passadas no Tricolor Gaúcho. Pois tanto Mano quanto Felipão estiveram no Cruzeiro – um na queda para a Série B, outro na campanha pífia da Segundona. Coincidência? Jamais.

"A seleção de Tite não empolga. Cumpre o papel de se classificar para a Copa, mas sem o encanto que se espera"

ADEUS DE MESSI, CRISTIANO RONALDO E... NEYMAR

Em entrevista ao Dazn, Neymar afirmou que a Copa de 2022, no Catar, deve ser sua última. “Não sei se terei mais condições, de cabeça, de aguentar mais futebol”, disse o atacante, que terá 34 anos no Mundial de 2026, que será realizado em conjunto por EUA, Canadá e México.

Até lá, muita coisa ainda vai acontecer. Sinceramente, não me surpreendo. Neymar vive o futebol da forma mais intensa possível desde muito novo, talvez 9 anos, quando já era badalado como promessa santista. Além disso, trata-se de uma escolha pessoal. Se ele não quer mais, ponto final.

Fato é que, se confirmada essa ideia/vontade, o futebol sai perdendo. O mesmo futebol que, muito provavelmente, já dará adeus no mesmo Mundial a Messi e Cristiano Ronaldo, que chegarão no Catar com 35 e 37 anos, respectivamente.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM OPINIÃO
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria / Amaro de Oliveira / Anderson Lopes
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.