Política

Ex-integrante de cooperativa acusada de lesar famílias de baixa renda de Maringá, assume como superintendente da Sejuc

Guilherme Mariucci participou da Coohabras, cooperativa que prometia casas populares a preços acessíveis, mas que não entregou as obras; ele assume o segundo cargo mais alto da Secretaria de Juventude e Cidadania da Prefeitura de Maringá

Victor Raimundi e Victor Faria - HojeMais Maringá
08/01/21 às 19h35
Boletim de Ocorrências feito contra a Coohabras

Nomeado como superintendente da Secretaria de Juventude e Cidadania de Maringá, na última quinta-feira (7), Guilherme Mariucci tem seu nome envolvido entre os acusados de lesar - por meio de atividades da cooperativa Coohabras - famílias de baixa renda de Maringá e Região, que buscavam o sonho da casa própria.

Filho do ex-vereador Carlos Mariucci, Guiherme assume o cargo de superintendente de Juventude e Cidadania, a remuneração dele será de quase R$ 9 mil por mês. O cargo de superintendente é o segundo mais importante de cada pasta, estando atrás, somente, dos secretários.

A Coohabras chegou a Maringá em 2016, através de uma parceria com a Aras Cáritas - braço social da igreja católica -, promovendo o cooperativismo como alternativa para a obtenção de moradias populares.

Os projetos de casas populares, entretanto, nunca saíram do papel e os gastos dos cooperados foram se acumulando. De acordo com parte das ações, o montante total arrecadado pela Coohabras pode ter chegado a R$ 6 milhões até 2018. Algumas das vítimas, inclusive, disseram à equipe de reportagem, que o valor pago pesava no orçamento.

"Por um ano, eu acreditei que as casas ou apartamentos sairiam. Por isso, eu coloquei o meu filho no projeto também. Em dezembro de 2017, eu parei de pagar. Então eu liguei. Em janeiro, eu fui ao escritório para receber o que paguei, mas estava fechado. Liguei, para os responsáveis: vereador [Carlos] Mariucci e Sônia [Versari], e também para o Guilherme, filho do vereador Mariucci. Eles me passaram um telefone que ninguém, atendia. Eu participei de todas as reuniões enquanto estive lá", disse uma das vítimas. 

Petição para restituição dos valores pagos pelos cooperados

A defesa das pessoas que se sentiram lesadas afirma que a coordenação do grupo de cooperados, em Maringá, pedia por ampliação dos prazos prometidos. Enquanto isso, seguia fazendo as cobranças e oferecendo - segundo uma das vítimas - ressarcimento irrisório aos insatisfeitos, mantendo as promessas e atividades de acordo com o que era comunicado pelos educadores da Coohabras.

A presidente nacional da Cooperativa, Sirlene Dias Araújo, concedeu, no ano passado, entrevista referente à situação das denúncias e do andamento dos projetos em Maringá. Além de defender a seriedade da cooperativa - que tem projetos similares espalhados por todo o país -, ela confirmou que o grupo de Maringá não fecharia suas portas.

Apesar da defesa do projeto como um todo, à época Sirlei admitiu que a condução do projeto, em Maringá, teve problemas.

“Orientações divergentes às descritas na orientação da Coohabras em todo o país ocorreram em Maringá”, disse ela, ressaltando, ainda, que o problema principal foi na queda de arrecadação do grupo com o passar do tempo.

Há registros da participação de Sirlene nas reuniões maringaenses ocorridas no ano passado, mas não há mais informações sobre Maringá no site oficial da cooperativa.

Guilherme Mariucci em reunião da Coohabras.

Guilherme Mariucci alegou estar triste pelos problemas passados, decorrentes de acontecimentos que alega não ter culpa. Disse também que, até o presente momento, todos os processos encerrados foram favoráveis a ele, seu pai - Carlos Mariucci -, e à Sônia Versari: as partes indiciadas nas ações. 

Mariucci salientou que o convite para a superintendência da Secretaria de Juventude e Cidadania ocorreu devido a sua carreira, construída desde 2017, em ocupação pública, na Sasc (Secretaria de Assistência Social e Cidadania). O advogado dele, Bruno Schmidt, reafirmou as vitórias na justiça.

“Sônia, Carlos e Guilherme são vítimas e foram arrolados nesses processos por questões políticas e de muita má fé”, ressaltou.

A Prefeitura de Maringá foi contatada pela redação do HojeMais Maringá, para se manifestar sobre as acusações feitas ao superintendente recém nomeado pelo prefeito Ulisses Maia (PSD), mas, até o momento, não respondeu ao HojeMais Maringá.

Errata

O HojeMais Maringá errou ao informar que Guilherme Mariucci foi candidato a vereador em Maringá. Na verdade, Carlos Emar Mariucci Júnior foi quem concorreu a um cargo no Legislativo. Essa reportagem foi atualizada às 20h44 minutos para corrigir essa informação. O HojeMais Maringá pede desculpas pelo erro.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍTICA
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria / Kris Schornobay / Amaro de Oliveira
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.