Política

Manifestantes pró-Bolsonaro fazem ato a favor de voto impresso em Maringá

Organizadores esperavam 30 mil pessoas, mas não havia escolta policial para traçar dados oficiais; na avenida Racanello, ovos foram arremessados contra os participantes do ato bolsonarista

Victor Faria - HojeMais Maringá 
01/08/21 às 16h37

Um grupo de manifestantes pró-Bolsonaro se reuniu na praça da Catedral, em Maringá, e saiu em carreata em ato que pedia a utilização do voto impresso e auditável no Brasil. Outras manifestações com mesma agenda foram registradas em outras cidades do Brasil. Não é possível afirmar com precisão quantas pessoas participaram do ato.

Em Maringá, os manifestantes saíram da avenida Tiradentes, passando pela avenida São Paulo, Racanello e depois retornaram à avenida Tiradentes. Segundo uma das organizadoras do ato, Gisele Bianchini - do grupo Patriotas Conservadores de Maringá - a carreata estava prevista desde o mês passado.

"Esperamos cerca de 30 mil pessoas de Maringá e toda a região: Sarandi, Paiçandu, Doutor Camargo, entre outros municípios. Nós estamos manifestando a favor o voto impresso, para que não haja fraudes nas eleições de 2022", explicou. Segundo ela, ainda, todo o trajeto foi combinado junto às autoridades. Guardas da Semob (Secretaria de Mobilidade Urbana de Maringá) ouvidos pela reportagem, entretanto, não estavam cientes do percurso.

Antes de saírem em carreata, palavras de ordem foram bradadas, um pastor discursou contra o comunismo e as pessoas se ajoelharam para rezar. O hino nacional foi executado na íntegra, enquanto a maior parte das pessoas cantava em posição de sentido. Por fim, quando começaram a carreata, o trio elétrico executou uma playlist completa de músicas a favor do presidente Bolsonaro.

Já na avenida São Paulo, os manifestantes começaram a encontrar resistência de alguma pessoas que passavam. Em frente ao Parque do Ingá, por exemplo, um jovem fez gestos obscenos. Já na avenida Horácio Racanello, um problema maior: ovos arremessados dos edifícios.

No cruzamento da avenida Herval com a Horácio Racanello, um morador atirou ovos nos manifestantes. Um deles, inclusive, acertou um ciclista que acompanhava o ato. "Polícia Militar, nós solicitamos uma viatura! Estamos sendo agredidos aqui", disse uma das manifestantes no trio elétrico enquanto se agachava.

No Terminal Urbano, Tiago Augusto, de 32 anos, aguardava um ônibus com a sua mãe, quando se deparou com o aglomerado de carros. Não titubeou a gesticular contra os manifestantes."Eu acho isso um absurdo. Sou contra o Bolsonaro e sou contra o voto impresso. Voto impresso é retrocesso. Nada contra as manifestações. Eles estão no direito deles. Mas não precisa atrapalhar o trânsito e fazer todo esse barulho", disse. 

Depois de todo o trajeto de carro, que durou cerca de 1h30, os manifestantes retornaram à praça da Catedral. A maior parte dos pedestres utilizava máscara no rosto. Entre os motociclistas, parte utilizava a proteção, parte não. Todo o trajeto foi conduzido pelo trio elétrico, seguido de motos e bicicletas, e, por fim, os carros. 

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍTICA
Franquia:
Maringá PR
Franqueado:
SPOT COMUNICACAO DIGITAL LTDA
37.794.547/0001-16
Editor responsável:
Victor Faria / Kris Schornobay / Amaro de Oliveira
contato@mga.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.