Gestare Vita

Hidrossalpinge: conheça a doença

Segundo o ginecologista e obstetra Dr. Eneias Cano, a doença pode dificultar a concepção

Giovanna Maia - Hojemais Três Lagoas
06/05/19 às 09h30

A Hidrossalpinge é uma condição que afeta as tubas uterinas podendo ser uma das causas da infertilidade. Essa doença consiste na obstrução das tubas por meio de um líquido seroso ou claro, conhecido também como “água nas trompas”.

As tubas uterinas são os canais que levam os óvulos até o útero, mas em casos de mulheres que possuem essa obstrução, o líquido contém substâncias que matam os óvulos, impedindo que ele faça esse caminho.

Segundo o ginecologista e obstetra Dr. Eneias Cano (CRM 4695, RQE 3216), o que acontece é que quando existe a presença desse líquido seroso nas tubas uterinas, o óvulo não consegue se acomodar na estrutura e nem os espermatozóides chegam ao gameta, ou seja, não existe a fecundação. Ele ainda ressalta que essa não é uma condição grave, mas que para quem sonha em engravidar é preciso buscar um tratamento e diagnosticar o quanto antes, ainda mais para as mulheres em idade fértil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Causas da Hidrossalpinge:

A Hidrossalpinge pode ser causada por meio de doenças sexualmente transmissíveis (DST’s) que podem ser evitadas com o uso de preservativos, como a sífilis e clamídia.

Cirurgias abdominais e pélvicas, e casos de endometriose que podem ser consideradas fontes de infecção que levam esse acúmulo de líquido na região.

O maior sintoma da hidrossalpinge é a infertilidade, pois a maioria das mulheres não apresentam sintomas aparentes e a melhor forma de diagnosticar ainda é por meio de um especialista durante os exames ginecológicos de rotina.

Outro sinal para ficar de olho é em casos de dor pélvica ou na parte baixa do abdômen que podem ficar mais intensas durante a menstruação. Essa dor pode ocorrer quando a tuba obstruída pelo líquido é distendida (acaba alcançando vários centímetros de diâmetros).

Os exames mais comuns para o diagnóstico da doença são a histerossalpingografia e a ultrassonografia. “A histerossalpingografia é um exame que serve basicamente para observar se as trompas da paciente estão pérvias (obstruídas ou entupidas) ou não, ou seja, se poderá ter o encontro do espermatozóide com o óvulo por meio da trompa. Uma vez obstruída, esse encontro não irá ocorrer”, explica o ginecologista.

Já o tratamento é apenas cirúrgico e é realizado para a retirada da trompa bloqueada pelo líquido. Pois um tratamento para tentar reverter o problema da trompa obstruída, geralmente, tende a não dar bons resultados em uma tentativa próxima de engravidar. O mais recomendável nesses casos é a fertilização feita com o acompanhamento de um especialista.

Qualquer tipo de tratamentos e exames devem ser realizados com o acompanhamento de um profissional especializado. Por isso, busque um médico de confiança e não deixe para se cuidar depois. Sua saúde vem em primeiro lugar!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

DR. ENEIAS CANO 

(CRM 4695, RQE 3216)

Graduado em medicina pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Residência médica em ginecologia e obstetrícia (AAMI-Campo Grande-MS). Pós-graduação em videolaparoscopia ginecológica pelo Instituto Fernandes Figueira-Rio. Pós-graduação em infertilidade pelo instituto Gera - São Paulo. 

 MAIS DE GESTARE VITA
VEJA TODAS DE GESTARE VITA
Franquia:
Três Lagoas MS
Franqueado:
Empresa Jornalística e Editora Hojemais Ltda.
01.423.143/0001-79
Editor responsável:
Daniele Brito
materia03@hojems.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2019 - Grupo Agitta de Comunicação.