Cotidiano

Meio Ambiente: O que fazer para reduzir as macrófitas aquática nos rios?

Os anos secos causam maiores danos aos nossos rios por causa do lançamento de esgotos que, com menor velocidade de dispersão, potencializam a produção de algas e todo tipo de vegetação flutuante, ou submersa, que impede a circulação dos barcos pela hidrovia ou nas margens para a pesca amadora ou profissional, esportiva ou relaxante.

Região - Antônio José do Carmo
10/05/21 às 10h27
Reprodução Impacto Online/Antônio José do Carmo.

Os anos secos causam maiores danos aos nossos rios por causa do lançamento de esgotos que, com menor velocidade de dispersão, potencializam a produção de algas e todo tipo de vegetação flutuante, ou submersa, que impede a circulação dos barcos pela hidrovia ou nas margens para a pesca amadora ou profissional, esportiva ou relaxante.

Há também o adubo das plantações de cana, que escorrem para os rios e lagos, alimentando o flancos de vegetações. Nem praias podem mais serem utilizadas tamanha invasão das algas que, por causa da pandemia, deixaram até de ser motivos de críticas e protestos, ataques de piranhas e outros inconvenientes desse desequilíbrio. O motivo é a pandemia. Itapura, Pereira Barreto, Ilha Solteira, Castilho, as algas avançam.

Então nossos seguidores perguntam: O que fazer? Ouvindo os próprios cientistas e pesquisadores, chegamos à conclusão de que somente a redução do lançamento de esgotos nos rios, poderá conter esse avanço de consequências cruéis, e previsíveis.

Acontece que o Governo do Estado e agora também o da União, sinalizam tolerância maior aos investidores, aos geradores de emprego e renda. Essa conduta pode ser confirmada com o desleixo da fiscalização que desativou importante unidades da CETESB , entre elas a de Araçatuba que passou ser concentrada em Presidente Prudente, com número menor de funcionários e estratégias menos ousadas de defesa do meio ambiente.

Nossos lagos estão morrendo. Eram enormes e pareciam inatingíveis pela poluição, mas não é isso o que estamos vendo. E é preciso despolitizar esse tema que não é de esquerda ou de direita, mas de quem tem sabedoria e competência para cuidar do meio ambiente.

Para piorar a situação, temos uma empresa concessionária, a chinesa CTG que já anunciou plano para aproveitamento das algas, produzindo combustível, energia ou adubo. Isso é um absurdo. Ao invés de colocar toda equipe técnica para estudar um plano de despoluição do rio, a empresa está encontrando um jeito de faturar com as algas, retirando-as das águas ou seja, admitindo sua existência para sempre.

Meu Deus! O que está acontecendo com essa humanidade? Cresce a cada dia em todos os setores, a descrença no que é correto e a suspeita sobre os mais nobres conceitos que a humanidade já consolidou sobre as formas de garantir as gerações futuras. Mas incrédulos sobre tudo, essa onda vem fazendo gente duvidando até que seus pais sejam legítimos.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM COTIDIANO
Franquia:
Andradina SP
Franqueado:
FLAVIA REGINA DE AVELAR GOMES 25180990858
14.225.543/0001-11
Editor responsável:
Flavia Gomes Mtb 8.016/MG
Email: ointeriorfala@gmail.com
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.