Viver Mais

Um alerta à gordofobia: magreza não é sinal de saúde e excesso de peso não é sinônimo de doença, afirma nutricionista

Culto à magreza é uma ideia construída socialmente e se refere a um padrão de beleza imposto, principalmente, às mulheres, explica profissional

Da redação* - Hojemais Araçatuba 
14/02/22 às 17h00
(Foto: Divulgação)

A relação entre o excesso de peso e um organismo doente é algo construído socialmente e nem sempre condiz com a realidade, explica a nutricionista e docente do UniToledo Wyden, Adriane Lemos.

“A obesidade tornou-se sinônimo de doença, o estigma daquilo que as pessoas não querem ter. A magreza virou sinônimo de saúde, porém o primeiro passo é entender melhor e se concentrar na saúde real. Pessoas com obesidade, que levam uma vida saudável, por meio de uma alimentação adequada e fazem atividade física, podem, sim, ter um corpo saudável e não desenvolver doenças”, afirma Adriane.
 
Tudo depende dos processos metabólicos de cada pessoa, quem possui um corpo magro, mas passa o dia comendo fast-foods ou ultraprocessados, provavelmente apresentará problemas de saúde, enquanto uma pessoa com maior gordura corporal, com uma alimentação balanceada e a prática de exercícios, pode ser ter um organismo saudável.
 
Adriane comenta que o culto ao corpo magro é, antes um padrão de beleza social e imposto, principalmente às mulheres, do que propriamente algo relacionado à saúde. Para ela, não desmistificar essas ideias é também colaborar para uma cultura da gordofobia, que em vez de ajudar as pessoas que buscam sair da obesidade, pode prejudicá-las impondo-lhes culpa.
 
“Concentre-se na sua saúde, não no peso corporal. A balança não é um indicador do estado de bem-estar, saúde ou sucesso. O seu peso corporal não determina quem você é, não é sinônimo de saúde. Nem sempre magreza está atrelada a um estilo de vida adequado”, orienta a profissional. A nutricionista defende que o caminho para combater a obesidade é a conscientização sem a culpabilização do indivíduo, proporcionando acolhimento e informação para que ele não se sinta pressionado, mas sim motivado a buscar hábitos mais saudáveis.
 
Gordofobia 

O termo “gordofobia” se refere ao preconceito contra pessoas obesas. É uma discriminação que vai muito além de comentários de mau gosto, afeta inclusive o direito ao acesso, pois muitos lugares não são acessíveis para pessoas acima do peso. Cadeiras pequenas, bancos de aviões e roletas de ônibus passam a ser um problema.

Além disso, as lojas não possuem diversidade de tamanho e a mídia representa o corpo magro como o ideal. Não conseguir fazer as tarefas do cotidiano sem passar constrangimento, aumenta os níveis de ansiedade e depressão em pessoas gordas, o que dificulta ainda mais o processo de emagrecimento ou a procura por tratamentos de saúde.

*Com informações da assessoria de imprensa do Unitoledo Wyden

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM VIVER MAIS
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.