Geral

Saúde: por que remédios genéricos são mais baratos?

Com o mesmo princípio ativo e eficácia, opção pode gerar economia de até 50% ao consumidor final se comparada com medicamentos de referência

Talk Comunicação
06/12/21 às 10h19
Remédios genéricos já representam 60% das vendas no Brasil, mas ainda há quem coloque em xeque a qualidade (Divulgação)

Quem nunca se perguntou por que os remédios genéricos são mais baratos levante a mão. Quando surgiram com força no começo do milênio, ninguém imaginaria que o principal objetivo seria motivo de dúvidas e desconfiança. Sim, os remédios genéricos existem como opções mais acessíveis para a população. Mas certamente você conhece alguém que use isso como argumento para gerar desconfiança sobre a qualidade e eficácia. Em tempos de fake news então… Óbvio que existem motivos para que os genéricos sejam mais baratos que os medicamentos de referência. E nós vamos mostrar quais são.

A farmacêutica Francielle Mathias, do Consulta Remédios, reforça que a ação dos remédios genéricos é a mesma dos medicamentos de referência e que eles podem custar até 50% menos que os medicamentos de marca.

"Os genéricos têm características iguais e devem produzir o mesmo efeito que medicamentos de marca (referência). Além disso, passam por testes rígidos para garantir sua qualidade e eficácia. Por isso são aprovados em testes de bioequivalência e biodisponibilidade apresentados à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)."

Apesar de volta e meia ainda surgir o "se são iguais, por que são mais baratos?" envolto em uma nuvem de desconfiança, o percentual de remédios genéricos vendidos no Brasil já supera 60% do total de vendas, segundo dados da Anvisa. Uma realidade muito próxima de Estados Unidos e União Europeia, por exemplo. 

Mas, afinal, porque os remédios genéricos são mais baratos?

Francielle Mathias explica que há dois motivos principais: os investimentos em estudos clínicos e a publicidade. "Em geral, os medicamentos genéricos são mais baratos pois neles não estão incluídos custos relacionados à pesquisa para desenvolvimento de seu princípio ativo (fármaco). Além disso, como não possuem marca, não há gastos com propagandas, resultando no barateamento do produto."

"Por isso é tão importante reforçarmos que o fato de os remédios genéricos chegarem por valores mais baixos ao consumidor final não tem nenhuma relação com a ação esperada do medicamento", completa a farmacêutica Francielle Mathias, do Consulta Remédios.

Aval da Anvisa e menor custo

Para chegar ao mercado, os medicamentos genéricos são submetidos a rigorosos testes pela Anvisa. Por sua vez, a agência garante que o medicamento tem a mesma qualidade e eficácia que o de marca. Por isso - e com orientação médica -, o genérico pode substituir o medicamento de referência.

Entre as vantagens apontadas pela Anvisa estão a disponibilidade de medicamentos de 35% a 50% mais baratos que o medicamento de marca, a possibilidade de concorrência e a facilidade de acesso a remédios com qualidade, segurança e eficácia certificadas pela Anvisa.

Diferenças entre medicamentos genéricos, de referência e similares intercambiáveis

Entender as diferenças entre os diferentes tipos de medicamentos é um passo importante para desfazer desinformações existentes. 

A farmacêutica Francielle Mathias explica as diferenças entre medicamentos genéricos, de referência e similares.

"Os genéricos são aqueles que não têm nome comercial e são vendidos a partir de seu princípio ativo. Apresentam o mesmo princípio ativo, forma farmacêutica e devem ser administrados pela mesma via que o medicamento de referência. Já o medicamento de referência é o que envolve uma fórmula inovadora. Ou seja, um remédio novo registrado no país. O laboratório desenvolvedor da fórmula ganha o direito de exclusividade de comercialização durante o período de patente - que dura entre 10 e 20 anos. Por fim, o medicamento similar intercambiável é aquele que possui os mesmos princípios ativos, forma farmacêutica, via de administração, posologia, indicação terapêutica e dose que o medicamento referência. Porém, pode ser diferente do remédio de referência no tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem e excipientes."

Sobre o Consulta Remédios

Nascido em 2000, o Consulta Remédios é o marketplace mais utilizado por pacientes, profissionais da saúde e drogarias quando o assunto é medicamento, saúde e beleza, além de ser o maior do Brasil e quarto do mundo. São mais de um milhão de usuários por dia, buscando informações de credibilidade e o medicamento certo pelo preço justo. A plataforma conecta fornecedores e usuários e possibilita a buscar informações e comparar preços e, dessa forma, economizar em medicamentos e itens de perfumaria. Além disso, mantém o Minuto Saudável, referência em dicas de saúde, e o CR Pro, que é a versão profissional do Consulta Remédios.

Formado por profissionais da área da saúde, programação, marketing, vendas, atendimento e suporte, o Consulta Remédios trabalha para revolucionar o cenário da saúde on-line. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM GERAL
Franquia:
Andradina SP
Franqueado:
FLAVIA REGINA DE AVELAR GOMES 25180990858
14.225.543/0001-11
Editor responsável:
Flavia Gomes Mtb 8.016/MG
Email: ointeriorfala@gmail.com
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.