AO VIVO
Wesley Mendonça

Como uma deepfake pode impactar sua candidatura?

Veja como o uso de notícias falsas como estratégia para atingir candidaturas pode impactar sua campanha

Matheus Escabora
25/05/22 às 08h50

Considerada uma nova forma de desinformação, a deepfake utiliza a inteligência artificial para criar vídeos falsos que possam se passar por verdadeiros. Desde que a deepfake do ex-presidente norte-americano Barack Obama veio a público, em 2018, pesquisadores políticos têm buscado examinar os possíveis impactos desse tipo de conteúdo falso para a saúde das democracias.

E você, sabe como uma deepfake pode impactar a sua campanha eleitoral?

É preciso ter clareza de que sua candidatura pode desencadear campanhas caluniosas por parte de seus opositores. O uso de notícias falsas como estratégia para atingir candidaturas foi fortemente utilizado no último pleito, e embora a técnica de manipulação seja trabalhosa e complexa, é possível fazer um deepfake “ruim” ou “mal feito” se passar por crível aos olhos dos votantes leigos.

Wesley Mendonça, consultor de marketing político, alerta que não é preciso usar tanta tecnologia para criar uma situação de desinformação. Há não muito tempo um vídeo da Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, ao ser desacelerado, dava a entender que a líder democrata estava bêbada enquanto discursava; o caso mostra que é possível propagar a desinformação sem fazer uso de inteligência artificial.

Eleitores despreparados

Sabe-se que definir o que é real e o que é falso está cada vez mais trabalhoso no ambiente digital. De acordo com pesquisa recente da empresa de segurança digital Kaspersky, 66% dos brasileiros não sabem o que é um deepfake, enquanto 7 em cada 10 não saberiam reconhecer um vídeo que tenha utilizado a técnica.

Segundo Mendonça, as deepfakes estimulam eleitores a crer que qualquer informação do universo digital é, no fundo, enganosa - o que desestimula a análise atenta da imagem de vídeos suspeitos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que diz a legislação?

Em termos legais, os deepfakes flutuam em uma zona cinzenta de falta de regulamentação. Embora a tecnologia não existisse na época em que essa definição foi criada, a interpretação da lei pode variar conforme o tempo.

Os deepfakes esbarraram no conceito de “trucagem” estabelecido na lei 9.504, que proíbe o uso de “montagens” em campanhas políticas, seja para ridicularizar ou beneficiar um candidato.

Como educar o eleitorado?

Listamos quatro aspectos importantes para preparar sua base de eleitores para reconhecer e combater futuras campanhas de desinformação. Nossa primeira orientação é: pause o vídeo, observe atentamente a imagem e busque cada um desse indícios: 

1. Contorno do rosto de cores diferentes:  No contorno do rosto, é possível perceber diferenças de tonalidade na cor de pele? O principal desafio da pós-produção de deepfakes tem a ver com suavizar a transição entre o desenho do rosto do chamado “host” (o ator ou pessoa que terá o rosto substituído) e a personalidade que está sendo imitada.

2. Acessórios que não combinam:  Observe com cuidado acessórios, como brincos, pois muitas vezes os deepfakes substituem as jóias apenas de um dos lados da orelha, deixando o personagem descombinado.


3. Atenção aos olhos:  O padrão de piscadas dos deepfakes pode ficar esquisito e inconsistente.

4. Óculos são mais difíceis de manipular: Os reflexos da lente são difíceis de replicar ou remover em deepfakes e podem ser indícios de fraude. A maneira mais eficiente de proteger uma pessoa de ser transformada em deepfake, é colocar um óculos nela.


A maior aliada contra a desinformação é a checagem dos fatos. Clique no botão abaixo e leia mais artigos como este:

Engenheiro químico pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), pós-graduado em Marketing Político pela USP, especialista em pesquisa eleitoral e consultor político.

Founder do Grupo Agitta de Comunicações, Wesley Mendonça criou a primeira franquia de gestão de conteúdo do Brasil! A franquia Hojemais foi pensada para oferecer a melhor experiência aos leitores por meio de ferramentas modernas e inteligentes e os melhores resultados para os nossos franqueados.

Aqui você vai encontrar técnicas, estratégias e sacadas sobre marketing político para veteranos e aspirantes na política.
 

 MAIS DE WESLEY MENDONÇA
VEJA TODAS DE WESLEY MENDONÇA
Franquia:
Três Lagoas MS
Franqueado:
Empresa Jornalística e Editora Hojemais Ltda.
01.423.143/0001-79
Editor responsável:
Sérgio Scalone - MTB 8388/SP
atendimento@agitta.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.