Fique por Dentro

Diabetes: Descubra como a doença pode aumentar os riscos de demência

Artigo analisa a relação entre diabetes e o surgimento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson.

Divulgação
04/07/22 às 09h39
ilustrativa (Rede D´Or)

A diabetes é uma doença caracterizada pelo aumento crônico dos níveis de açúcar no sangue, ela  tem crescido perigosamente em todo o mundo e, segundo informações da Federação Internacional de  Diabetes, em 2021, o número de pessoas diabéticas aumentou em 74 milhões.

A doença possui alguns sintomas clássicos, como fadiga, incontinência urinária, boca seca, dificuldade de cicatrização, dentre outras, entretanto, alguns estudos recentes ligam a doença ao aumento do risco de quadros de demência.

É o que afirma o estudo “ Neurotoxicidade: Declínio e neurodegeneração no cérebro diabético ”, liderado pelo PhD neurocientista e biólogo luso-brasileiro, Dr. Fabiano de Abreu Agrela em parceria com o médico psiquiatra Dr. Francis Moreira, Dr. Henry Oh, o biólogo e cientista canadense é diretor do Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Idaho nos EUA e a médica mexicana, Dra. Desiree Ortegón, professora da Universidade Santander.

Dr. Fabiano de Abreu (Arquivo pessoal).

“O diabetes mellitus é uma condição crônica que ocorre quando há níveis elevados de glicose livre no sangue.[...] A longo prazo, quando não controlada, a hiperglicemia pode causar danos a vários órgãos do corpo, incluindo o cérebro, assim, além de controlar a glicemia, a insulina atua na modulação cognitiva do sistema nervoso central, na memória, no aprendizado e na plasticidade sináptica” Afirma o artigo.

De acordo com o estudo, com a diabetes, os níveis de açúcar no sangue sobem, e essa alta na glicose corporal pode afetar o cérebro ao afetar o sistema nervoso e tornar necessário o uso de caminhos metabólicos para tentar corrigir a situação, mas que podem gerar a neurotoxicidade.

“Um dos principais efeitos do DM [diabetes mellitus] é o declínio cognitivo, que afeta a memória e aprendizagem [...]Uma série de déficits cognitivos foram identificados em pacientes com DM1 [Diabetes tipo 1]. Os principais foram a baixa velocidade de processamento da informação e menor eficiência psicomotora, [...]  prejuízos no vocabulário, na inteligência geral, na construção visual.”

Ainda segundo o artigo, a predisposição de cada indivíduo para lidar com as consequências da doença e, desenvolver ou não danos cerebrais decorrentes dela, varia entre pacientes.

“Notoriamente a predisposição psíquica para se adaptar à doença é específica e varia de pessoa para pessoa de acordo com a percepção da doença e suas consequências, decorrentes da forma individual como interpreta e entende a entidade da qual sofre.”.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM FIQUE POR DENTRO
Franquia:
Andradina SP
Franqueado:
FLAVIA REGINA DE AVELAR GOMES 25180990858
14.225.543/0001-11
Editor responsável:
Flavia Gomes Mtb 8.016/MG
Email: ointeriorfala@gmail.com
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.