Cotidiano

Prefeitura de Birigui aguarda pareceres para liberar repasse para OSS Santa Casa

Secretaria de Saúde diz que tem conhecimento da paralisação dos médicos que atuam nas UBSs, mas que tomará providências para não prejudicar atendimentos

Aline Galcino - Hojemais Araçatuba
20/01/21 às 15h46

Mesmo com o anúncio da paralisação de atendimentos médicos não urgentes nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), a Prefeitura de Birigui (SP) informou, na manhã desta quarta-feira (20), que aguarda pareceres para verificar a legalidade de continuar fazendo repasses de recursos para a OSS (Organização Social de Saúde) Santa Casa de Birigui, responsável pela gestão do pronto-socorro municipal, ESF (Estratégia Saúde da Família e Saúde da Mulher) e Corujão da Saúde (implantado na UBS do bairro Cidade Jardim).

O aviso de greve de médicos que atuam na ESF foi protocolado nesta terça-feira (19), na Secretaria Municipal de Saúde, para início a partir de hoje.

Endereçado ao prefeito Leandro Maffeis (PSL) e à secretária de Saúde Adriana Sangaletti Duarte, o documento tem assinatura de 11 profissionais e cobra um posicionamento formal sobre o repasse de verbas para a garantia do “pagamento de salários e demais vantagens”.

Enquanto isso não acontecer, só serão atendidos os casos de urgência básica, pré-natal e pacientes covid-19, visando não causar prejuízos à saúde da população. Os demais atendimentos agendados não serão feitos.

Funcionários de OSS cobram resposta sobre o impasse em pagamento (Imagem: reprodução de vídeo)

Providências

A Secretaria de Saúde confirmou o recebimento do aviso dos médicos e informou que a “gestão municipal tomará as providências necessárias para não prejudicar os atendimentos agendados”, sem citar quais são elas.

Segundo a Prefeitura, sobre o contrato de gestão com a OSS Santa Casa de Birigui, foi protocolado a prestação de contas de novembro de 2020 para análise técnica do Comitê de Monitoramento e parecer jurídico. Só após essa análise será tomada alguma decisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sem certificado

A OSS é investigada pela Polícia Civil, na operação Raio X, por supostos desvios de dinheiro público da área da Saúde. Por conta das denúncias e investigações, ela perdeu o CRCE (Certificado de Regularidade Cadastral de Entidades), que é emitido pelo Estado.

A Prefeitura afirma que sem o certificado, não é possível fazer os repasses. Já a OSS nega e diz que não a falta do documento não é impeditivo.

Além dos médicos, cerca de 180 trabalhadores da Saúde estão sem o salário do mês de dezembro, que deveria ser pago em janeiro deste ano, por conta da suspensão dos repasses. Eles também já ameaçaram parar os serviços.

Na tarde desta quarta, parte desses funcionários foi à sede administrativa da OSS para cobrar um posicionamento sobre o pagamento. Eles foram recebidos por funcionários da parte administrativa, que informaram que ainda não receberam o repasse da Prefeitura e por isso, não têm como fazer o pagamento, e foram orientados sobre os seus direitos.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM COTIDIANO
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.