Polícia

Polícia apreende fichas de vacinação contra a covid-19 em Andradina

Município nega que esteja vacinando pessoas fora do grupo prioritário; secretário de Saúde deve ser indiciado por não entregar documentos pedidos por delegado

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
23/01/21 às 10h03
Policiais civis cumpriram mandado de busca na tarde de sexta-feira em Andradina (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil de Andradina (SP) deflagrou na tarde de sexta-feira (22), a Operação Fura-fila, para apreender as listas com os nomes das pessoas que já foram vacinadas na cidade na campanha de imunização contra a covid-19.

O mandado de busca e apreensão foi solicitado à Justiça após o município ter recusado entregar a listagem durante visita da polícia no período da manhã.

Segundo o que foi apurado pelo Hojemais Araçatuba , a Polícia Civil recebeu denúncia de que pessoas que não fariam parte do grupo prioritário para vacinação contra o coronavírus estavam sendo vacinadas na “Central Covid-19” e na Santa Casa de Andradina.

Ainda de acordo com a denúncia, entre as pessoas que estariam recebendo a vacina estariam integrantes do Corpo de Bombeiros e funcionários da área de manutenção da Santa Casa.

Visita

Equipe chefiada pelo delegado Raoni Manoel Spetic da Selva foi à Central Covid e comunicou sobre a denúncia. Segundo o que foi apurado, um enfermeiro responsável confirmou que bombeiros que atuariam como socorristas haviam sido vacinados pela manhã.

Foi solicitada a documentação das pessoas vacinadas, mas o enfermeiro disse que, por orientação dos superiores, que seria o secretário municipal de Saúde, João Leme Blumer Neto, os documentos só seriam entregues mediante apresentação de ofício da Polícia Civil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Justiça

Apesar de o delegado ter informado que estava fazendo a requisição verbal, o pedido não foi atendido, por isso houve a representação pelo mandado de busca, que foi concedido pela 2ª Vara do Fórum de Andradina.

O mandado foi cumprido por volta das 17h e desta vez, também participou da operação o delegado assistente da Delegacia Seccional, Marcelo Zompeiro. Os policiais visitaram a Central Covid-19 e a Santa Casa, onde o mesmo enfermeiro que atendeu a equipe pela manhã relatou que a documentação requerida havia sido encaminhada à Secretaria Municipal de Saúde.

A equipe esteve na secretaria e foi atendida por uma auxiliar de enfermagem, que seria a responsável por alimentar o banco de dados do Ministério da Saúde.

Ele fez cópias de todas as fichas com os nomes das pessoas que foram vacinadas com a primeira dose da CoronaVac na cidade, material que foi apreendido e um inquérito será instaurado no 2º Distrito Policial de Andradina.

Negou

A Prefeitura de Andradina emitiu nota na tarde de sexta-feira negando ter vacinado pessoas que não se enquadram no grupo de prioridade da 1ª fase da vacinação contra a covid-19.

“Pela falta de materialidade da denúncia, buscando manter a necessária integridade de dados sensíveis relacionados à saúde, a Secretaria de Negócios Jurídicos da Prefeitura de Andradina apenas solicitou da autoridade policial que fizesse o pedido na forma de ofício requisitório, não havendo qualquer negativa no fornecimento da lista dos vacinados”, informa a nota.

Ainda segundo a Prefeitura, o ofício do delegado foi recebido por volta das 13h30 e seria respondido no prazo legal, nos autos do inquérito instaurado. 

“Esclarecemos ainda que o não fornecimento de dados dos pacientes de forma verbal se deu apenas para preservar a integridade de dados sensíveis referentes aos pacientes, que são protegidos pela Lei Geral de Proteção de Dados”.

Por fim, a Secretaria de Saúde de Andradina informou que todos os vacinados na primeira fase são registrados no Instituto Butantã, seguindo protocolo da Secretaria Estadual de Saúde para a aquisição da segunda dose. “Portanto, é ‘IMPOSSÍVEL’ burlar os parâmetros estabelecidos para a vacinação no Estado de São Paulo”, finaliza a nota.

Desobediência

Por não terem atendido a ordem do delegado de polícia para apresentar a relação das pessoas que foram vacinadas na cidade, o secretário de Saúde e a médica da Vigilância Epidemiológica, Terezinha Maria Gomes Manteiga, devem responder a inquérito pelo crime de desobediência, cuja pena varia de 15 dias a 6 meses de detenção e multa.

Se confirmado que houve vacinação de pessoas que não fazem parte do grupo prioritário pré-determinado nesta etapa da campanha, os responsáveis deverão ser indiciados por corrupção privilegiada ou prevaricação.

A polícia determinou que cópias dos documentos sejam encaminhadas ao Ministério Público para apurar possível ato de improbidade administrativa por parte dos envolvidos.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.