Polícia

Polícia investiga morte de professor de 26 anos

Segundo guia de encaminhamento para exame necroscópico, vítima aplicou um produto tóxico nas pernas imaginando que fosse anabolizante

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
02/12/21 às 09h03

A Polícia Civil de Araçatuba (SP) vai instaurar inquérito para apurar as causas da morte de um professor de 26 anos, morador no bairro São Rafael, ocorrida na tarde de quarta-feira (1).

O boletim de ocorrência comunicando o óbito foi registrado no início da noite pelo pai da vítima, um aposentado de 64 anos. Ele contou que o filho dele foi atendido no pronto-socorro municipal no último domingo (28). Ele não soube informar à polícia quem socorreu o professor e quando houve a transferência do paciente para a Santa Casa. 

Na guia de encaminhamento do hospital para liberação do corpo para exame necroscópico no IML (Instituto Médico Legal) consta que o paciente teria aplicado ricina intramuscular nas duas coxas, acreditando tratar-se de anabolizante. A ricina é derivada do óleo da mamona e dependendo da dose, seja por inalação, injeções intramuscular, endovenosa e intraperitoneal e por via oral, pode matar animais e humanos.

Envenenamento

Ainda de acordo com o que foi relatado à polícia pelo hospital, o diagnóstico inicial foi de intoxicação exógena e acidose metabólica grave por envenenamento.

Apesar do tratamento, o quadro clínico do paciente evoluiu para insuficiência respiratória, insuficiência renal aguda e choque séptico. O óbito foi constatado por volta das 13h30 e o caso registrado como morte suspeita/acidental.

Riscos

O médico ortopedista Célio Mori, que atua na medicina esportiva, condena o uso indiscriminado de anabolizantes por pessoas em busca de ganho muscular. “O anabolizante deve ser usado sob controle médico. Hoje são poucas as indicações de uso de anabolizante” , explica.

Ele alerta que entre os efeitos colaterais do anabolizante está o risco do desenvolvimento de câncer de testículo, de câncer de fígado e alterações psíquicas, como o desenvolvimento da agressividade.

Sobre a ricina, o médico esclarece que ela não tem indicação nenhuma de uso médico e é extremamente tóxica.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.