AO VIVO
Polícia

Idosa perde quase R$ 39 mil ao acreditar que estava pagando dívida da filha em Três Lagoas

A vítima estava em seu apartamento no Edifício Ramez Tebet no bairro Interlagos quando recebeu a ligação de uma mulher se passando pela filha

Albecyr Pedro - Hojemais Três Lagoas
28/05/22 às 07h01
Foto: Alecyr Pedro- Caso registrado na 1ª DP

Uma idosa de 79 anos caiu no golpe do Whatsapp clonado e perdeu R$ 38.38.997,98 para estelionatários.

O caso foi registrado nesta sexta-feira (27) na 1ª Delegacia de Polícia Civil de Três Lagoas.

Segundo a vítima, estava em seu apartamento localizado no Edifício Ramez Tebet no bairro Interlagos quando recebeu uma ligação telefônica em que uma mulher se identificou como sendo sua filha disse que precisava pagar uma dívida dos equipamentos médicos que havia adiquirido no valor de R$ 28.997,98 e que o prazo final já estava encerrando.

A vítima acreditando na conversa, veio a depositar três valores fracionados; sendo o primeiro de R$ 9.997,98 mil via Pix, o segundo via transferência bancária no valor de R$ 15 mil e outro Pix no valor de R$ 4 mil. 

E passados alguns minutos retornaram a ligação dizendo que ainda restava um depósito a ser feito no valor de R$ 10 mil, momento em que a idosa utilizou de sua conta bancária realizou um Pix e efetuou o último procedimento.

Horas depois recebeu sua filha em seu apartamento comunicando sobre o dinheiro que havia emprestado, ela respondeu para a mãe que não solicitou nenhum valor de empréstimo.

HOMEM PERDE R$ 2.101,02 MIL NO FALSO EMPRÉSTIMO

Compareceu na 1ª Delegacia de Polícia Civil na tarde desta sexta-feira (27) um homem de 27 anos, informando que recebeu um store do Instagram oferecendo empréstimo, o qual se interessou e fez contato clicando no link, onde posteriormente recebeu uma mensagem via WhatsApp, onde um homem identificado por R.D., o comunicou que teria sido aprovado a solicitação de empréstimo no valor de R$ 5 mil a R$ 50 mil.

Segundo a vítima, ele teria se interessado em pedir o valor de R$ 30 mil, porém R.D., falou que para ser liberado, teria que pagar R$ 249,99 que seria da GRU -(Guia de Recolhimento da União).

Sendo assim, foi feito o pagamento via Pix e após o procedimento, a vítima recebeu uma mensagem do número de DDD (11) o qual se identificou como R.G., suposto Diretor Financeiro, que fez perguntas em relação ao dinheiro solicitado.

Conforme o suposto executivo, o valor era para pagar conta ou para investimentos. A vítima respondeu que era para os dois tipos de procedimentos, momento em que R.G., disse que para dar continuidade ao processo, teria que pegar alguns dados pessoais e informar o valor total do empréstimo solicitado, valor das prestações, em quantas vezes, os dados bancários e chaves Pix para a transferência.

Após passar os dados, o suposto diretor o enviou um comprovante de depósito o qual estava bloqueado, sendo orientado a pagar a diferença para ser liberado o total do empréstimo.

A vítima informou que não tinha o valor total, sendo orientado a mandar 50% que a financeira se responsabilizava pelo restante, sendo assim foi feita uma transferência no valor de R$ 599,02 para a mesma chave Pix.

Após a transferência, a vítima contou que recebeu outra mensagem de R.G., o informando que teria que efetuar os outros 50%, pois havia sido negada pelo governo a ajuda da financeira.

Acreditando na conversa, ele então efetuou os outros 50% na mesma chave Pix. Depois de ter realizado o procedimento, a vítima recebeu novamente mensagem do suposto diretor financeiro, a qual informou que poderia liberar o crédito apenas no dia seguinte, já que neste dia, o banco iria fechar.

Nesta sexta-feira, o homem recebeu novamente mensagem de R.G., dizendo que não poderia ser liberado o crédito sem antes pagar o F.G.C (Fundo Garantidor de Crédito).

A vítima respondeu que não tinha mais dinheiro e em seguida recebeu uma mensagem do número de telefone DDD (11) onde um homem se identificando como R.G.S., suposto Superintendente Regional da Receita Federal o  informou que se não efetuasse o pagamento iria registrar uma ocorrência, pois o valor já estaria liberado e que não era justo desistir, pois a financeira iria ficar prejudicada.

Ainda segundo a vítima, o suposto superintendente disse que ele perderia o serviço e seria prejudicado ainda mais com seus dados pessoais.

Temendo pelas consequências, ele realizou mais uma pix no valor de R$ 652,99, totalizando um prejuízo de R$ 2.101,02 mil.

GERENTE DE FARMÁCIA NO CENTRO DENUNCIA GOLPE DO PIX

A gerente de uma farmácia localizada na Avenida Capitão Olyntho Mancine procurou a 1ª Delegacia de Polícia Civil na tarde desta sexta-feira (27) para registrar uma ocorrência de estelionato.

Segundo a gerente, uma cliente realizou duas compras no estabelecimento comercial via Pix; sendo uma no valor de R$ 140,10 para ser entregue em uma residência na rua Marcia Mendes, no bairro Jardim Brasília e outra no valor de R$ 421,25 em uma casa localizada na Avenida Clodoaldo Garcia, no bairro Santos Dumont.

No ato das compras, a cliente enviou os comprovantes para a gerente da farmácia, e após as entregas dos produtos foram verificados que os dois Pix não caíram na conta da loja.

Foi feito contato com o banco, porém a gerente recebeu a informação da inexistência dos Pix no sistema. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Três Lagoas MS
Franqueado:
Empresa Jornalística e Editora Hojemais Ltda.
01.423.143/0001-79
Editor responsável:
Daniele Brito
materia03@hojems.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.