Polícia

Homem é acusado de agredir companheira por causa de perfume

Casal vive junto há 27 anos e ele não gostou de ela ter comprado o cosmético sem a autorização dele

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
17/04/21 às 10h46

Um operador de máquinas de 46 anos, morador em Avanhandava (SP), foi levado para a delegacia na noite de sexta-feira (16), acusado de agredir a companheira. O motivo do crime seria a discussão por causa de um frasco de perfume.

A vítima, que tem 41 anos, disse à polícia que convive com o companheiro há 27 anos, tem três filhos com ele, mas a relação do casal sempre foi conturbada desde que passaram a residir juntos, inclusive com ameaças e agressões por parte do investigado.

De acordo com ela, na noite de sexta-feira os dois bebiam cerveja e discutiram porque a vítima havia comprado, há três meses, um frasco de perfume sem avisá-lo. Ainda segundo a mulher, o companheiro dela arremessou o frasco ao chão, mas ele não quebrou.

Ele também teria arremessado duas cadeiras na direção da vítima, feito xingamentos e desferido dois tapas no rosto dela, que em seguida foi jogada ao chão.

Segundo a denunciante, o filho do casal, de 16 anos, presenciou as agressões, tentou intervir em favor dela, mas foi empurrado pelo pai e ameaçado, por isso saiu para a rua e chamou a polícia.

Negou

Segundo os policiais que atenderam a ocorrência, o acusado negou as agressões e recusou ser levado à delegacia, por isso teve que ser algemado e ameaçou agredir a vítima, que recusou atendimento médico. Ela autorizou que fosse feita uma foto de uma lesão na cabeça e disse que queria processar e representar criminalmente o companheiro pelas agressões, mas não foi à delegacia.

O acusado não estava acompanhado de um advogado, por isso foi ouvido apenas informalmente. Ele confirmou ter discutido com a companheira por ela ter comprado um perfume, e ter danificado objetos da casa. Entretanto, alegou não se recordar de tê-la agredido ou ameaçado. 

O delegado que registrou a ocorrência optou por liberar o investigado, por considerar não ser possível identificar quem iniciou a briga; por não terem sido apresentadas testemunhas; e pelo fato dos policiais que atenderam a ocorrência não terem presenciado as agressões.

Um inquérito deve ser instaurado.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.