Polícia

Suposto chefe de organização criminosa é preso em hotel durante operação

Desmembramento de ação que investiga fraudes pode ter levantado suspeita sobre pedidos de prisão

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
29/09/20 às 22h11
Operação foi coordenada pela Polícia Civil de Araçatuba (Foto: Lázaro Jr./Hojemais Araçatuba)

O suposto chefe do esquema de desvio de verbas públicas da área da Saúde que resultou na operação Raio X, deflagrada nesta terça-feira (29) pela Polícia Civil de Araçatuba (SP), foi preso em um hotel em Pardinho, município na região de Bauru.

Ele é médico, tem 46 anos, mora em Birigui e já foi diretor do DRS-2 (Departamento Regional de Saúde) de Araçatuba. No momento da prisão ele estava acompanhado de um supervisor de segurança de 58 anos, de Birigui, que seria funcionário dele e também foi preso.

A operação Raio X foi deflagrada pelo Deinter-10 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) de Araçatuba com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) do Ministério Público.

O objetivo, segundo a polícia, é desmantelar grupo criminoso especializado em desviar dinheiro destinado à saúde mediante celebração de contratos de gestão em diversos municípios por meio de organizações sociais.

A investigação tem inquéritos policiais instaurados em Penápolis e Birigui, já dura cerca de dois anos e indica a existência de um sofisticado esquema de corrupção envolvendo agentes públicos, empresários e profissionais liberais para desviar de milhões de reais que deveriam ser aplicados na saúde.

Ao todo, foram expedidos 62 mandados de prisão temporária, sendo que no último levantamento, divulgado no final da tarde, 52 duas pessoas tinham sido presas, 40 delas no Estado de São Paulo.

Imagem: Ilustração

Presos

Entre os presos está o médico de Birigui e o funcionário dele, detidos em Pardinho. O Hojemais Araçatuba apurou que eles vinham sendo monitorados em virtude da expedição dos mandados de prisão e foram vistos em uma padaria de Araçatuba ontem (28).

Após se encontrarem com um advogado, os dois saíram com uma caminhonete GM S-10 e se hospedaram em hotel na beira da rodovia Castelo Branco, sentido a São Paulo. O médico foi detido no corredor da hospedagem, ao sair do quarto, e o supervisor de segurança no estacionamento.

Há suspeita de que o pedido de desmembramento da ação, feito pela Polícia Civil e atendido pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) na semana passada, tenha alertado os investigados sobre possível pedido de mandado prisão.

Investigação

Apesar de o processo que resultou na operação desta terça-feira estar sob segredo de Justiça, o que agora corre no TJ-SP não tem sigilo, por enquanto.

Nele consta que o inquérito que resultou nos mandados de prisão e de busca e apreensão cumpridos hoje teve início a partir da prisão do segurança Márcio Takashi Alexandre, filho do ex-vereador de Birigui Osvaldo Ramiro Alexandre (1993/1996), ocorrida em setembro do ano passado.

Ele foi condenado pela Justiça de Nhandeara a 2 anos de prisão no regime semiaberto por disparo de arma de fogo, crime cometido em 2013, e preso por policiais do GOE (Grupo de Operações Especiais) da Polícia Civil de Araçatuba.

Porém, durante o cumprimento do mandado foram encontrados com ele, R$ 179 mil em dinheiro, uma espingarda calibre 12 e três carros que estavam na garagem, um deles blindado. Na ocasião foram apreendidos ainda, documentos e aparelhos de celular que foram periciados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Peculato

Após essa apreensão, foram realizadas pelo menos outras três operações para cumprimentos de mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça relacionadas ao caso, todas noticiadas pelo Hojemais Araçatuba .

Ainda no ano passado, em dezembro, a Polícia Civil prendeu uma funcionária da Prefeitura de Birigui por peculato, ao flagrá-la utilizando para fins particulares, um carro alugado pela Santa Casa de Birigui.

A polícia apurou que o veículo teria sido repassado a ela, que trabalhava na Secretaria Municipal de Saúde de Birigui, mas estava afastada do trabalho por motivo de doença. O carro foi devolvido ao hospital.

Locadora

Em janeiro deste ano houve nova operação, que resultou na prisão de um advogado de 35 anos, de Araçatuba.

Durante cumprimento de mandado de busca ele foi flagrado com uma pistola calibre 380 e com um Toyota Corolla alugado na mesma locadora proprietária do Gol encontrado com a funcionária da Prefeitura de Birigui.

Nesta mesma operação foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Santa Casa de Birigui e em uma residência no bairro Iporã, em Araçatuba, onde nos fundos funcionaria uma empresa de tecnologia.

Nessa empresa foram apreendidos relatórios de atendimentos prestados a entidades de saúde da região e o contrato de locação de um veículo na mesma locadora proprietária dos outros carros apreendidos anteriormente.

Câmara

Em fevereiro houve mais uma operação, desta vez tendo como alvos alguns políticos de Birigui. Na ocasião, os policiais estiveram na Câmara, na Prefeitura e nas casas do vereador Valdemir Frederico, o Vadão da Farmácia (PTB), e do então secretário municipal de Gabinete, Gilmar Trecco Cavaca, que também foi secretário da Saúde nos dois primeiros anos da atual administração.

Também houve buscas em um escritório que seria da OSS Santa Casa de Birigui, na rua Tupi, em Birigui, onde funcionou a sede do IDS (Instituto de Desenvolvimento Social), OSS que gerenciou os serviços de Atenção Básica do município. Ela foi substituída justamente pela OSS Santa Casa de Misericórdia de Birigui.

LEIA TAMBÉM
 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.