Viver Mais

O que você tem sonhado nesta quarentena?

Com a ideia de mostrar o quanto a pandemia tem afetado as pessoas, empreendedor e psicóloga criam o projeto Sonhos de uma Quarentena; relatos serão publicados futuramente em obra

Manu Zambon - Hojemais Araçatuba
10/09/20 às 08h00

Na obra “Sonhos do Terceiro Reich”, a jornalista alemã Charlotte Beradt divulgou 300 sonhos que os alemães relataram ter depois da ascensão de Hitler, entre 1933 e 1939. Por meio das narrativas dessa época, foi possível identificar críticas ao momento social que provocava sentimentos ruins, como medo e angústia, além de trazer à tona questões pessoais, como mudança na vida social.

Nesse mesmo sentido, e com a ideia de mostrar o quanto a pandemia tem afetado todos nós, a psicóloga Simone Bersote e o empreendedor Rafael Felsemburg criaram o projeto Sonhos de uma Quarentena. Com a iniciativa, os paulistas – ambos são de Suzano -, abrem espaço para que as pessoas compartilhem aventuras, incertezas, angústias, descobertas e viagens que têm vivido por meio de seus sonhos.

“Em momentos de profundas mudanças e, especialmente agora com a pandemia, os sonhos têm trazido à tona as incertezas, angústias e um quê de novidade. Têm gerado discussões em todas as esferas e em nível mundial”, diz a psicóloga, que inclusive leu “Sonhos no Terceiro Reich” após ser convidada para o projeto.

Segundo Rafael, ele se interessa por sonhos há um tempo por achar curioso o mundo que se abre quando sonhamos.

“Sempre tive uma relação de atenção e observação com meus próprios sonhos. Por conta disso, hora ou outra converso sobre sonhos com alguns amigos, que assim como eu, já escreviam alguns dos seus sonhos. Foi nestas conversas que comecei a observar que algo de diferente estava acontecendo no mundo dos sonhos das pessoas ao meu redor e no meu também” explica o empreendedor, que também constatou que essa temática está sendo estudada amplamente por algumas universidades.

Participe

Foi do interesse comum pelo assunto que os dois, que eram amigos, decidiram iniciar o projeto, que conta com site e posteriormente se transformará em um e-book coletivo com os sonhos enviados pelos colaboradores. Todos podem participar, enviando para a página um relato de sonho no período da quarentena. O autor ainda assina um termo autorizando os organizadores a utilizar o texto na obra.

Não sabe por onde começar o relato de um sonho? Ou não sonha com frequência ou não se lembra com detalhes? O site disponibiliza uma série de informações, como dicas para estimular a pessoar a ter sonhos e a dormir melhor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Livro contará com relatos enviados pelo site (Foto: Divulgação)

Os organizadores também postam informações que ajudam a preparar o autor para a escrita. Uma das orientações é manter ao lado da cama uma caneta e um caderno ou bloco para anotar ou um gravador. Escreva ou grave sobre o sonho da forma como ele vir à cabeça antes de se levantar, para evitar se esquecer dos detalhes.

Caso haja dificuldade com a escrita, a página também disponibiliza conteúdo sobre escrever com criatividade, por meio de parceria com o professor de língua portuguesa e literatura, Luciano Melo.

O que são os sonhos?

Para a psicologia, Simone explica que os sonhos têm diversas funções, desde processar a aprendizagem com o armazenamento e organização das memórias, à trazer elementos inconscientes que, quando acompanhados por um profissional, podem ter um efeito terapêutico para o indivíduo. Os sonhos ainda podem nos preparar para o dia seguinte e até nos ajudar em momentos de decisão.

“Para a psicanálise, possuímos um modo de segurança que nos retira do sonho quando seu conteúdo for extremamente perturbador com a finalidade de manter nossa saúde mental. No momento do sonho em que você precisa enfrentar um monstro terrível e que percebe que não vai dar conta, você acorda”, conta Simone.

Relatos

Simone e Rafael contam que têm recebido sonhos em que as pessoas criam monstros e precisam acabar com eles porque se sentem responsáveis pela sua criação.

“Tem pessoas que sonham de forma recorrente que estão morando em outro país. Os sonhos coincidem com fuga. Ora fugindo de um monstro (nesse caso pode ser o vírus), ora mudando de país (um lugar onde a ameaça encontra-se mais controlada), etc”, completa Simone. No site, é possível ver alguns trechos de sonhos já enviados.

“Compartilhar os sonhos com quem tem interesse, oferece acolhimento, o indivíduo sente-se parte do inconsciente coletivo (aqui seria uma espécie de lugar onde estamos falando a mesma língua e sentindo os mesmos efeitos pandêmicos) e percebe que não está sozinho”, finaliza a profissional.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM VIVER MAIS
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.