PET

'Doença da roseira' pode ser transmitida aos humanos

Patologia pode causar úlceras de pele e afetar o bem-estar animal

Sérgio Dias - Especial para o Hojemais Araçatuba
01/05/22 às 11h30
(Foto: Banco de imagens)

É provável que você, que frequentemente lê nossa coluna no Hojemais Araçatuba , tenha um gato como animal de estimação. Se não tem, é ainda mais provável que você conheça alguem que tenha, afinal, a população de felinos domésticos no Brasil chega a cerca de 30 milhões, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Hoje, vamos falar especificamente sobre a esporotricose, muito comum em gatos, popularmente conhecida como “doença da roseira” ou “doença do jardineiro”, que pode causar úlceras de pele, afetar o bem-estar do pet e mais: pode ser transmitida ao ser humano.

Causada pelo fungo Sporothrix spp , que fica presente no solo e na vegetação, essa enfermidade compromete a saúde dos felinos domésticos. Ele costuma se proliferar em cascas de árvores, caule de plantas e solo. Como é comum os gatos se aventurarem em troncos e adoram desbravar territórios, a doença acaba tendo transmissão facilitada, inclusive entre eles. 

“Ao brincar ou passar por esses locais, arranhar a madeira ou enterrar seus dejetos, os fungos podem ficar presos às unhas dos animais, em farpas ou espinhos espetados no corpo”, comenta a médica-veterinária Yolanda Antunes, gerente nacional de produtos para pets na Syntec do Brasil.

A esporotricose é uma doença de pele crônica e esporádica que surge quando o fungo entra no organismo dos gatos devido a feridas na pele e pequenas lesões ou, ainda, por contato com objetos ou ambientes contaminados. A doença é transmissível entre os felinos e também é uma zoonose, ou seja, pode afetar o ser humano, algo que acontece principalmente a partir de arranhões.

Fases

Após a contaminação, a esporotricose pode evoluir em três fases. No primeiro, a doença é caracterizada por lesões nodulares avermelhadas, individuais ou múltiplas, na pele do animal. Na segunda fase, a infecção progride formando úlceras na pele e atinge o sistema linfático do animal. Por fim, chega a um ponto tão crítico, quanto todo o organismo do pet é afetado. 

Com o agravamento, as úlceras se tornam cada vez maiores e profundas, acometendo articulações, ossos e pulmões. O problema causado pelo fungo pode até mesmo chegar ao sistema nervoso central e somar sintomas, como fraqueza, anorexia e febre. 

Prevenção

Para garantir a saúde e a qualidade de vida dos gatos, a prevenção é o melhor remédio. Para isso é preciso ficar atento à higiene e aos ambientes que o gato frequenta, mantendo o animal em ambiente seguro e sem acesso à rua, as chamadas famosas voltinhas, minimizando o risco de contato com os causadores do problema.

Soluções desinfetantes com cloreto de benzalcônio associado a glioxal são ideais para a limpeza das superfícies e dos ambientes domésticos, garantindo a eliminação não só de fungos, mas de vírus e bactérias.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM PET
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.