Geral

Coranavírus: corpos de mortos por coronavírus nas ruas no Equador

A situação do Equador diante da epidemia de coronavírus está chocando o mundo.

Época/ /Redação - Hojemais/ Três Lagoas
06/04/20 às 13h00
Colpaso funerário no Equador em razão do coronavírus

A situação do Equador diante da epidemia de coronavírus está chocando o mundo.

Após vídeos que mostram cadáveres pelas ruas de Guayaquil, no sudoeste do Equador, a cidade sofre com a falta de caixões.  As vítimas da Covid-19 serão enterradas em caixas de papelão, desobedecendo às normas sanitárias do governo.

 
Guayaquil, centro econômico do Equador, é a cidade mais castigada pelo coronavírus no país. A localidade recebeu uma doação de mil caixões de papelão da Associação de Papeleiros equatoriana, que foi entregue a dois cemitérios da localidade. "É para que possam cobrir a demanda de caixões, que estão em falta na cidade ou são extremamente caros", disse um porta-voz do conselho de Guayaquil.

A província de Guayas, que está cercada por militares e cuja capital é Guayaquil, registra a maior incidência da Covid-19 no país. Até agora foram contabilizados 2.524 infectados na cidade, entre eles 126 mortos. A região está sob toque de recolher diário de 15 horas.

Já o Equador registra 3.646 casos e 180 mortos no total. Diante da dificuldade de conter o contágio em massa, o governo fechou as escolas, estabeleceu o home office, limitou o tráfego de veículos, decretou estado de exceção e bloqueou as fronteiras.

DESRESPEITO DAS NORMAS SANITÁRIAS
Os caixões de papelão não atendem às normas sanitárias do governo para o enterro de vítimas da Covid-19. Mas, diante de corpos sendo empilhados nas ruas, parece não haver outra solução no momento. No Twitter, a prefeitura de Guayaquil afirmou que a alternativa é "uma grande ajuda para proporcionar uma sepultura digna aos mortos durante esta emergência sanitária".

Proprietários de funerárias confirmam a falta de caixões de madeira para os enterros. "Vendi 40 que tinha na sucursal do centro e outros 40 em outra sede. Pedi mais 10 para o fim de semana es já acabaram", afirma Santiago Olivares, dono de um estabelecimento de materiais fúnebres.

No porto de Guayaquil, os caixões estão sendo vendidos por preços a partir de US$ 400. No entanto, na cidade, os fornecedores não conseguem atender à demanda. "Devido ao toque de recolher, não há fornecimento suficiente de material", explicou Olivares.

DESRESPEITO DA QUARENTENA
Segundo o presidente equatoriano Lenin Moreno, ao menos 40% das pessoas contaminadas pelo coronavírus não respeitaram o isolamento imposto aos doentes. São "pessoas sem consciência de seu estado, em alguns caso. E em outros casos, são irresponsáveis porque foram declarados positivos por testes médicos ou são suspeitos de terem o coronavírus e deixam suas casas, não respeitam a quarentena".

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM GERAL
Franquia:
Três Lagoas MS
Franqueado:
Empresa Jornalística e Editora Hojemais Ltda.
01.423.143/0001-79
Editor responsável:
Daniele Brito
materia03@hojems.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2020 - Grupo Agitta de Comunicação.