Cotidiano

Serviços da atenção psicossocial têm aumento na procura por atendimentos

Lesões e envenenamento aparecem entre as principais causas de internações em Araçatuba no segundo quadrimestre do ano, o que pode estar relacionado a tentativas de suicídio

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
21/11/21 às 18h14
Serviços de saúde mental do município não pararam durante a pandemia (Foto: Arquivo)

Desde o mês de agosto, os serviços da atenção psicossocial mantidos pela Prefeitura de Araçatuba (SP) têm percebido aumento significativo na procura por atendimentos. A informação foi confirmada ao Hojemais Araçatuba pela Secretaria Municipal de Saúde.

A reportagem pediu informações após analisar o relatório do Conselho Municipal de Saúde publicado no Diário Oficial do Município, que mostra que lesões, envenenamentos e algumas outras consequências de causas externas foram a segunda principal causa de internação hospitalar na cidade no segundo quadrimestre do ano.

Questionada se esses envenenamentos estariam relacionados a suicídios e tentativas de suicídios, a Pasta informou que possivelmente, parte destes envenenamentos pode sim estar relacionada a isso, mas não se pode descartar os casos em que há acidentes.

Somente na segunda semana deste mês, a reportagem teve acesso a pelo menos quatro boletins de ocorrências relatando suicídios consumados de moradores em Araçatuba. E a Secretaria de Saúde confirma que tem observado aumento nos casos de tentativas de suicídio, o que não é um fenômeno isolado do município.

A Pasta informa que o Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, publicado em setembro de 2021, mostra que “há um aumento consistente nas taxas de mortalidade por suicídio nos últimos 10 anos, com destaque para o maior risco de morte em homens e para o aumento nas taxas de suicídio de jovens”.

Procura

Sobre o aumento na procura recente por atendimento nos serviços da atenção psicossocial, o município acredita que isso ocorre porque durante a pandemia, especialmente enquanto as pessoas não haviam sido vacinadas, muita demanda por atendimento em saúde mental foi reprimida.

Isso teria acontecido por parte da própria população ter evitado sair de casa por medo de ser infectada pelo coronavírus. “Agora, com o avanço da vacinação, esta demanda reprimida tem chegado com intensidade”, informa em nota.

Segundo a Prefeitura, os serviços de saúde mental do município não pararam durante a pandemia, sendo mantidos prioritariamente com atendimentos remotos, mas sem fechar as portas para acolhimentos presenciais.

Entretanto, alerta que uma das melhores formas de prevenção ao suicídio é evitar os meios de acesso à autoviolência. “Infelizmente, as lesões provocadas por objetos cortantes e a ingestão de tóxicos, ou mesmo medicamentos, são meios de fácil acesso para pessoas por serem encontrados dentro das próprias residências, representando grande risco a pessoas com alguma suscetibilidade psicológica”, informa a nota.

Prevenção

A Pasta orienta sobre a importância de evitar guardar substâncias tóxicas dentro das residências e dificultar o acesso a elas por crianças e pessoas com sofrimento psíquico. O município cita que há algum tempo era prática comum, especialmente em áreas rurais, manter principalmente agrotóxicos em casa, o que requer cuidado.

“Uma pessoa em sofrimento nunca deseja a morte em seu sentido final de pôr fim à vida, mas sim a morte daquele aspecto que a gera sofrimento, ou seja, ela deseja mudança. Por isso precisamos manter a atenção da população para seus familiares que precisam de algum cuidado com a saúde mental e encaminhar aos serviços da rede pública”, orienta.

A Secretaria de Saúde informa por meio dos serviços de atenção psicossocial realiza monitoramento contínuo das tentativas e dos suicídios desde 2018. A equipe fica atenta às notificações de casos atendidos pelo serviço de urgência e emergência e tem acesso ao paciente e à família dele por meio de busca ativa, visita domiciliar, atendimento terapêutico e consulta médica, além do atendimento hospitalar em casos mais graves.

Atendimento

Segundo o município, serviços de atenção psicossocial como o CEAPS (Centro Especializado em Atenção Psicossocial), CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) Álcool e Drogas, CAPS Adulto 24h e CAPS Infanto Juvenil ofertam e realizam acolhimento imediato com profissional de nível superior, sem necessidade de agendamento prévio.

Também são oferecidas consultas psiquiátricas, de enfermagem, terapias em grupo e individuais, oficinas socioeducativas (culinária, dança, musicalidade, técnicas de relaxamento) apoio e orientação de famílias, oferta de leito de hospitalidade, construção da cidadania, além de articulação com outros setores, como as secretarias de Assistência Social, de Educação e outros.

Capacitação

Por fim, a Secretaria de Saúde explica que outra maneira importante de se prevenir o suicídio é orientando a população e capacitando trabalhadores da saúde. “Estas também são ações que a Secretaria Municipal de Saúde realiza pelos serviços de atenção psicossocial, com especial destaque para as ações do Setembro Amarelo, campanha de conscientização sobre o suicídio, que não parou, mesmo diante dos desafios da pandemia”, finaliza a nota.

Internações por doenças infecciosas e parasitárias representaram 24% do total

As internações por doenças infecciosas e parasitárias representaram 24% do total de hospitalizações no 2º quadrimestre 2021 em Araçatuba, segundo relatório do Conselho Municipal de Saúde.

Esse aumento, segundo o que foi divulgado, é resultado das internações por covid-19. O percentual é muito superior ao registrado no mesmo período de 2020, quando as internações por esse motivo representaram 3,3% do total.

As cinco maiores taxas de internação hospitalar no 2º quadrimestre do ano foram: Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias; Lesões, envenenamentos e algumas outras consequências de causas externas; Doenças do aparelho respiratório; Neoplasias; e Doenças do aparelho circulatório.

Mortes

Com relação a mortes, os óbitos por Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias representaram 40,07% do total no acumulado dos quadrimestres de 2021. “A letalidade da covid-19 fica evidente, pois nos anos de 2019 e 2020 elas representaram 5,0% e 15,5% respectivamente”, consta no relatório.

A série histórica de mortalidade aponta como principais causas: Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias; Doenças do aparelho circulatório; Neoplasias; Doenças do aparelho respiratório; e Sintomas sinais e achados anormais exames clínicos e laboratoriais.

Envelhecimento

Ainda de acordo com o relatório, o envelhecimento da população é uma tendência no munícipio, que conta com 19% da população com 60 anos ou mais. Isso, de acordo com o que foi publicado, sinaliza a necessidade de ações para a redução dos fatores de risco das doenças crônicas não transmissíveis, por meio da promoção de hábitos de vida mais saudáveis, garantindo detecção precoce e tratamento oportuno.

“O envelhecimento da população gera pressão sobre toda a Rede de Atenção à Saúde e progressivo aumento de gastos com atenção especializada”, informa a nota, que também informa sobre a redução no total de nascimentos entre 2018 e 2020, mantendo a tendência de queda da fecundidade.

Município investe 23% do orçamento em Saúde

Até o segundo quadrimestre deste ano, a Prefeitura de Araçatuba investiu 23% do orçamento municipal em Saúde, índice bem superior aos 15% mínimos previstos pela legislação.

Até então foram aplicados R$ 309.670.274,07 do orçamento, dos quais, 23,03% foram aplicados em ações e serviços público em saúde, que corresponde a R$ 71.317.822,93.

As transferências, fundo a fundo, advindas do Ministério da Saúde acumuladas até o 2.º quadrimestre somam R$ 19.086.366,65, enquanto outros R$ 2.653.141,00 foram repassados pela Secretaria Estadual da Saúde.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM COTIDIANO
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.