Conteúdo Patrocinado

Copa América: impacto do futebol brasileiro no mundo e dos atletas 'exportados' para terras além do continente será posto à prova em breve

"Em comparação a seus vizinhos, o país começou tarde a praticar a arte originária da Grã-Bretanha, com clubes dedicados ao esporte surgindo apenas no começo do século passado"

*Digital
18/06/21 às 14h40

O Brasil como nação tem muitas forças das quais se orgulhar. Entretanto, a mais poderosa dessas fortalezas é a nossa cultura. A multiplicidade de culturas existentes ao longo dos milhões de quilômetros quadrados que constituem o país é um dos elementos que mantém e manterá o Brasil como uma nação relevante no contexto internacional por décadas, senão séculos.

Uma das expressões culturais mais relevantes do Brasil é o nosso futebol. Em comparação a seus vizinhos, o país começou tarde a praticar a arte originária da Grã-Bretanha, com clubes dedicados ao esporte surgindo apenas no começo do século passado . Mas logo deixamos de lado a posição de aprendizes e viramos mestres do campo e bola, provando tal superioridade em encontros de seleções dentro e fora da América do Sul.

Nosso país e sua representante internacional, a Seleção Brasileira, mantêm tal posição de superioridade há algumas décadas. Mesmo sem saber o que é ganhar uma Copa do Mundo há quase 20 anos, vitórias na Copa América – como a ocorrida em 2019 – e o fato de nossos atletas continuarem a fazer parte dos elencos mais caros e talentosos dos clubes mundiais servem de lembrança para nossos adversários. Muito em breve essa posição será colocada à prova mais uma vez na próxima Copa América, que acontecerá um ano e meio antes da Copa do Mundo no Qatar.

Eliminatórias como “aperitivo” para a Copa América

O Brasil e os brasileiros nunca foram avessos à realização de grandes eventos. Fomos anfitriões da Copa do Mundo em 1950 e 2014, e nossos Carnavais servem como “porto seguro” para milhões de turistas ano a ano. Então, quando somos chamados para atuar em tais palcos, vê-se uma naturalidade em performance de causar inveja.

Tal naturalidade é algo que ocorre até mesmo quando se realizam convocações para palcos menores, como as eliminatórias para a próxima Copa do Mundo. O Brasil enfrentou o Paraguai na casa do oponente e teve uma excelente performance na vitória por 2 a 0 no Estádio Defensores del Chaco, com destaque para uma atuação de gala do astro Neymar.

Inadvertidamente, as eliminatórias para a próxima Copa do Mundo têm servido como um excelente preparo às seleções sul-americanas para a Copa América vindoura. Desta vez, a competição terá como participantes somente as 10 seleções que fazem parte da CONMEBOL – Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela – em vez de ter mais seleções convidadas para completar 12 ou 16 competidores. Mas as boas emoções ainda estão garantidas, mesmo com o número reduzido de participantes no torneio.

De acordo com informações do portal Globoesporte , a Seleção Brasileira na Copa América 2021 terá uma composição bem parecida com a que atuou nos jogos de eliminatórias da Copa do Mundo. Isso explica em boa parte o favoritismo do Brasil em plataformas de apostas esportivas como a Betway, em que a Seleção lidera a lista de potenciais campeões do torneio com 53% de chances de levantar a taça em julho. Sua rival mais próxima é a Argentina, com chances de vitória cotadas a 27%, quase metade das chances brasileiras.

Disposição para desbravar terras desconhecidas

A quantidade de jogadores formados no Brasil, muitos deles de grande qualidade para mercados externos, faz com que o sonho de atuar na Seleção seja algo reservado apenas para aqueles que conseguem alcançar e se manter no topo da “cadeia alimentar” por anos a fio. Isso exige um nível de dedicação e talento descomunal, principalmente em comparação a países menores que não produzem tantos bons atletas de futebol quanto o Brasil.

Mas mesmo que este sonho não seja alcançado por boa parte dos jogadores do esporte, isso não significa que outros não possam ser realizados através do futebol. Ainda mais considerando o “efeito exportação” que ocorre no mercado de transferências nacional, com jogadores dispostos a explorar terras bem além do Brasil para tirar seu ganha-pão e manter vivo o sonho de manter seus ganhos através da vida de atleta.

Foi o que ocorreu com o atacante Johnathan, que em 2014 aceitou o desafio de atuar no futebol coreano. Natural do noroeste do estado de São Paulo, o ex-jogador do Goiás fez um sucesso estrondoso em sua passagem pelo país. Logo depois ele foi convidado para atuar na China, onde está até hoje, primeiro jogando pelo Tianjin TEDA e depois pela equipe Chengdu Rongcheng.

A história de Johnathan é uma das muitas que mostram o impacto do futebol brasileiro em outros países, ajudando a cultivar a imagem do nosso país como a terra do futebol. Além disso, ela é exemplo do impacto financeiro que esse esporte tem para os atletas e até mesmo para a sua cidade natal, que no caso de Johnathan é Fernandópolis. A cidade ganha não só com a imagem do jogador, mas também com eventuais investimentos que ele faça em retorno à região, mostrando que no futebol toda energia mantém-se em movimento e tudo o que se ganha é compartilhado.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM CONTEÚDO PATROCINADO
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.