Polícia

Jovem encontrada carbonizada estava grávida de um dos acusados do crime

Dias depois de matá-la ele forjou ter sido vítima de tentativa de homicídio para tentar “tirar o foco” da investigação

Lázaro Jr.  - Hojemais Araçatuba
30/10/20 às 10h52
Polícia ainda aguarda DNA, mas tem convicção da identificação do casal vítima (Foto: Reprodução)

O operário de 39 anos que procurou a polícia em Birigui (SP) na semana passada relatando ter sido vítima de tentativa de homicídio é o principal acusado de assassinar o casal encontrado carbonizado dentro de um carro na zona rural de Coroados.

Apesar de o resultado do exame de DNA em material coletado nos corpos ainda não ter ficado pronto, a polícia tem convicção de que as vítimas são Ellen Priscila Ferreira da Silva, 24 anos, e Ely Carlos dos Santos, 39, de Birigui.

Segundo o delegado Paulo de Tarso, responsável pela investigação, a jovem estava grávida do operário, com o qual manteve um relacionamento amoroso.

Entretanto, o investigado voltou a se relacionar com a ex-companheira e também a engravidou. Diante disso, o casal queria que Ellen fizesse um aborto, o que ela não concordou.

Investigação

A Polícia Civil chegou ao principal suspeito porque ele costumava usar drogas com as duas vítimas. Além disso, foram obtidas imagens de câmeras de monitoramento mostrando o carro do operário indo e retornando do local do crime.

O GM Prisma foi apreendido durante o cumprimento dos mandados de busca e de prisão dele, da mulher dele e de outros dois investigados, na manhã de quinta-feira (29).

Ainda segundo a polícia, o boletim de ocorrência registrado por ele no último dia 21, alegando que teria sido vítima de tentativa de homicídio, tinha como objetivo tirar o foco da investigação.

Forjou

Naquela madrugada o operário esteve na delegacia e relatou que havia sido agredido por três homens enquanto fumava crack em um local conhecido como Lagoa, no Parque das Nações.

Disse ainda que teve pés e mãos amarrados com o cadarço do próprio tênis, um pedaço de arame farpado enrolado ao corpo e os supostos assassinos teriam dito que ele iria morrer queimado, como havia acontecido com Ellen e Santos.

Depois disso ele teria sido colocado sobre um sofá velho, no qual havia sido incendiado. Porém, por ter simulado estar desacordado, os supostos autores teriam fugido e ele se jogado ao chão, conseguindo se salvar.

Confessou

Em depoimento, a companheira do operário confirmou à polícia que ele inventou essa história para tentar enganar a polícia.

A investigada contou que naquela madrugada o acusado apareceu na casa dela todo machucado, pedindo para chamar a polícia, pois haviam tentado matá-lo.

Ela comunicou a polícia e uma equipe de resgate levou o operário ao pronto-socorro, para onde ela foi com o Prisma. Quando ela chegou ao hospital ele ainda não havia sido atendido por um médico, mesmo assim pediu para ser levado à delegacia.

Mais inteligente

A mulher disse à polícia que estranhou ao ouvir o companheiro dela dizer em depoimento na ocasião, que quem havia tentado matá-lo foram as pessoas que haviam assassinado Ellen e Santos, pois eles que haviam cometido o homicídio.

Ela não se manifestou, mas ao chegar em casa o questionou a respeito da versão. De acordo com ela, o operário contou que enquanto usava entorpecente teve a ideia de inventar a tentativa de homicídio contra ele para tirar o foco da investigação. Ele ainda teria relatado quando usa drogas fica mais inteligente.

Auto lesão

Para simular o crime, o operário teria pego um pedaço de madeira e batido contra a própria cabeça. Em seguida, ele se amarrou com o próprio cadarço e com o arame farpado.

Como não conseguiu se soltar, ele cortou o cadarço com um pedaço de telha e depois ateou fogo em um sofá velho que havia no local.


Casal foi queimado vivo, segundo a polícia

Em entrevista ao site G1, o delegado Paulo de Tarso, responsável pela investigação, disse que o casal encontrado carbonizado foi queimado vivo.

De acordo com ele, a polícia ainda não sabe como os autores chegaram até as vítima, mas ficou comprovado que o casal foi amarrado dentro do carro e teve os corpos queimados após serem molhados com gasolina.

Os familiares de Ellen reconheceram o carro encontrado queimado como sendo o da mãe dela. Ainda de acordo com o delegado, um jovem de 19 que também foi preso assumiu participação no crime.

Hipóteses

Além da motivação passional, a polícia trabalha com a possibilidade de que o crime tenha sido motivado por suposta dívida de drogas de Santos com um traficante.

Outra possibilidade seria vingança, já que Ellen testemunhou uma tentativa de homicídio por parte do operário e o teria delatado.

A vítima desse crime é um homem de 38 anos, que foi esfaqueado no bairro São José, em Birigui, na madrugada de 24 de julho. Na ocasião ele disse que havia sido atacado por um casal.

O operário foi identificado pela polícia como sendo o autor e confessou o crime, dizendo que Ellen e Santos estavam com ele na ocasião, pois consumiam drogas juntos, mas não teriam tido participação na tentativa de homicídio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Três Lagoas MS
Franqueado:
Empresa Jornalística e Editora Hojemais Ltda.
01.423.143/0001-79
Editor responsável:
Daniele Brito
materia03@hojems.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2020 - Grupo Agitta de Comunicação.