Polícia

'Olheira do tráfico' faz live em apologia ao crime e é presa em Araçatuba

Jovem tem 19 anos e havia sido presa em flagrante na sexta-feira no bairro São José; ela ganhou a liberdade no dia seguinte, mas voltou para a prisão nesta quinta por causa do vídeo

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
15/04/21 às 21h33

Uma dona de casa de 19 anos, moradora no bairro São José, em Araçatuba (SP), foi presa na noite desta quinta-feira (15) por apologia ao tráfico de drogas. Ela estava em liberdade provisória após ter sido presa em flagrante no sábado (10), acusada de ser “olheira” de traficantes no bairro.

O mandado de prisão foi expedido pelo juiz da 3.ª Vara Criminal de Araçatuba, Emerson Sumariva Júnior, em atendimento à representação do Ministério Público, após a jovem fazer uma live confirmando ser “olheira” do tráfico, enaltecendo o crime e difamando policiais militares.

O flagrante na sexta-feira foi feito por equipe da Polícia Militar que naquela tarde, durante patrulhamento pelo São José, recebeu denúncia anônima de que estaria ocorrendo comércio  de drogas em uma casa na rua Marcelino Stopa. Os policiais já tinham informações de que o morador nessa residência estaria comercializando entorpecentes e abordaram o pedreiro de 53 anos na frente do imóvel, ao lado de outro homem.

Maconha

Segundo a polícia, ele estava com duas porções de maconha nas mãos e mais cinco no bolso, junto com R$ 90,00 em dinheiro. O outro homem também foi revistado, não trazia nada de irregular, mas teria confirmado que estava no local para comprar droga, assim como o pedreiro teria confessado o crime.

Os policiais vistoriaram a casa do pedreiro, encontraram mais duas porções da droga dentro de uma garrafa de café sobre uma mesa na área do fundo, junto com um caderno com anotações do tráfico. Como havia informações de que o investigado escondia drogas em um terreno baldio próximo à casa dele, foi solicitado reforço da equipe do Canil.

Os cães farejaram pelo terreno e apontaram o lado de uma parede que faz divisa com um mercado, onde foram localizadas 11 porções de crack e mil tubos plásticos vazios, usados para fracionar entorpecente.

Mulheres

Quando os policiais seguiam para a delegacia para apresentar a ocorrência, eles viram a jovem de 19 anos junto com outra de 24, em um campo. Eles tinham conhecimento de que elas trabalhariam como “olheiras” de traficantes do bairro, inclusive do próprio pedreiro, e decidiram abordá-las.

Na capa do celular da dona de casa de 19 anos havia R$ 280,00 em dinheiro e, segundo a polícia, as duas confessaram que atuariam como “olheiras” , recebendo R$ 100,00 por dia para ficar das 10h às 22h naquele ponto, informando sobre a presença de viaturas.

Disseram ainda que o pedreiro seria uma das pessoas para as quais elas trabalhavam e, segundo consta no boletim de ocorrência, ao serem ouvidas na presença de advogados as mulheres confirmaram o que haviam dito aos policiais militares. O investigado também teria confessado o crime.

Os três tiveram as prisões em flagrante confirmadas pelo delegado plantonista e passaram a noite na prisão. No dia seguinte a Justiça acatou manifestação do Ministério Público e concedeu a liberdade provisória às investigadas, por considerar que elas atuavam como olheiras e não diretamente no comércio de drogas. O pedreiro permaneceu preso.

Live

Porém, nesta quinta-feira, a Promotoria de Justiça tomou conhecimento de que a dona de casa fez uma live, na qual difamou os policiais militares que fizeram a prisão a confirmou que trabalhava como olheira para traficantes do bairro.

“Gente, pra falar a verdade, está todo mundo falando que eu sou traficante. Eu não sou traficante. Eu sou campana. E todo mundo sabe que eu sou campana. Todo mundo sabe, não sou traficante. Pelo menos eu não ‘exturco’ (verbo extorquir) ninguém. Estava só atrapalhando o serviço dos caras (policiais), igual eles falaram pra minha família aqui. Sim, porque vocês são uns bostas, que não faz (um palavrão) pra ninguém. Pelo menos os bandidos fazem, pelo menos os bandidos traficantes ajudam a gente né. Agora para você trabalhar honesto não dá, porque não tem uma vaga de serviço, não tem (outro palavrão) que dá pra você trabalhar. Aí você vai presa e fica todo mundo falando bosta”, finaliza o vídeo.  

Por considerar que a investigada estava em liberdade provisória e cometeu crimes ao fazer apologia ao tráfico de drogas e se manifestar contra os policiais militares, o Ministério Público representou pela decretação da prisão.

O pedido foi aceito, o mandado foi expedido pela Justiça e cumprido no início da noite pela Polícia Militar. A acusada foi encontrada na casa dela, apresentada no plantão policial e na sexta-feira (16) deve ser encaminhada a uma unidade prisional, onde permanecerá à disposição da Justiça.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM POLÍCIA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.