Justiça

Acusado de matar casal no Jussara vai a julgamento na quarta-feira

Crime ocorreu em 5 de outubro de 2014; outros 2 réus já foram julgados e condenados pelo Tribunal do Júri, com sentença transitada em julgado

Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba
22/11/21 às 18h25

Será realizado na próxima quarta-feira (24), o julgamento de Laire Antônio Neves Feltrin, denunciado pelo Ministério Público de Araçatuba (SP) por homicídio duplamente qualificado pelo assassinato do casal Egídio Ribeiro, 56 anos, e Clarice Miranda Ribeiro, 55.

O crime ocorreu em 5 de outubro de 2014, no bairro Jussara, e o réu é acusado de ter feito os disparos que mataram as vítimas. Outros dois réus já foram condenados pelo mesmo crime em 2017, em julgamento que durou mais de 25 horas.

O réu que vai a julgamento na quarta-feira foi o único que recorreu da sentença de pronúncia, por isso não foi julgado com os demais. Porém, desde março de 2019 o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) confirmou que ele deveria ir a Júri Popular.

O julgamento chegou a ser marcado para 27 de novembro daquele ano, mas foi adiado e, devido à pandemia, só agora foi possível agendá-lo.

Duplo homicídio

Segundo o que foi apurado pela investigação, o alvo do atirador era um filho do casal, na época com 29 anos de idade. Segundo a denúncia, ele manteve relacionamento amoroso com a filha de Carlinhos Roxo e após o rompimento, teria passado a importuná-la.

Tal atitude teria irritado o ex-sogro, que decidiu matá-lo. Para isso, ele teria convidado a dupla para cometer o assassinato. Brito teria levado Feltrin à casa das vítimas em uma picape e os dois teriam encontrado o filho do casal na calçada.

Ao ver que o atirador desceu do carro armado, o alvo correu para dentro de casa e se escondeu em um cômodo nos fundos da residência. Enquanto estava escondido, ele ouviu vários disparos de arma de fogo e ao sair do quartinho encontrou o pai dele caído na varanda e a mãe no corredor, próximo ao banheiro.

Prisões

Os outros dois réus já foram condenados pelos crimes e a sentença transitou em julgado (Foto: Reprodução/TV Tem)

Após o crime, Brito foi encontrado pela polícia escondido debaixo de uma mesa, na casa de Feltrin, que conseguiu fugir, mas foi capturado quase dois meses depois em um rancho na cidade de Pereira Barreto, que fica a 136 quilômetros de Araçatuba. Carlinhos Roxo foi preso um ano depois dos assassinatos.

O julgamento será no Fórum de Araçatuba, a partir das 9h, com a presença do réu, que aguarda julgamento preso. Os outros dois réus são Carlos Alberto Sales, o Carlinhos Roxo, apontado como mandante do crime, e Emerson Ferreira de Brito, acusado de ter levado Feltrin até à residência do casal.

Penas

Em primeira instância o primeiro foi condenado 35 anos de prisão e o segundo, a 32 anos e 8 meses de reclusão. Em agosto deste ano, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) reconheceu a continuidade delitiva e reduziu a pena de Sales para 29 anos e 2 meses de prisão.

O resultado do julgamento do recurso foi estendido para Brito, que teve a pena fixada em 27 anos, 2 meses e 20 dias de prisão. No despacho, o tribunal determinou que o resultado do julgamento fosse imediatamente comunicado ao juiz da Vara do Júri de Araçatuba, que ainda fará o julgamento de Feltrin. A decisão já transitou em julgado.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
  26/01/22 às 20h00
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM JUSTIÇA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2022 - Grupo Agitta de Comunicação.