Justiça

Santa Casa de Birigui entra na Justiça para receber repasses de convênios

Em ação com pedido liminar, entidade avisa que estoque de medicamentos não passa de uma semana; valores retidos ultrapassam R$ 6 milhões

Aline Galcino - Hojemais Araçatuba
22/01/21 às 18h05
(Foto: Aline Galcino/Arquivo H+)

A Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Birigui (SP) ingressou na Justiça uma Ação de Obrigação de Fazer, com pedido liminar, cobrando os repasses não feitos pela Prefeitura neste ano. O pedido foi protocolado na tarde desta sexta-feira (22), no mesmo dia em que o prefeito Leandro Maffeis (PSL) publicou decreto declarando estado de calamidade pública no município por conta da paralisação parcial de serviços de saúde.

De acordo com a ação, os valores devidos pela Prefeitura à Santa Casa de Birigui até o momento ultrapassam R$ 6 milhões, sendo R$ 3,3 milhões obrigatórios por leis municipais. Sem os repasses, a entidade afirma que está em estado de penúria e não tem como manter a continuidade dos serviços à população, o que poderá “acarretar nos próximos dias com a consequente paralisação de serviços pelos funcionários, com a recusa de entrega de mercadoria e serviços pelos fornecedores e consequentemente, a paralisação das atividades de saúde pública no município.”

Ainda conforme a ação, a previsão do estoque de medicamentos não passa de uma semana. “Assim, há o iminente e efetivo risco de dano de difícil ou impossível reparação, especialmente ao bem maior da vida”, cita.

Para a irmandade, a suspensão dos repasses devidos ocorreu recentemente por “desinformação ou má-fé mesmo”, sendo que todos os recursos recebidos são empregados na manutenção da saúde pública, e são extremamente escassos diante da crescente demanda populacional que se apresenta, especialmente em tempos de pandemia de covid-19.

Convênios

Na ação, a entidade pontua três convênios previstos no orçamento municipal que foram autorizados por leis municipais. Um deles é uma subvenção social (autorizada pela lei 6.218/16), objetivando o custeio de prestação de serviços e de assistência à saúde no município aos cidadãos, cujo valor compulsório é de R$ 930.529,00 mensais.

O segundo convênio descumprido (previstos nas leis 6.523 e 6.548/18) dispõe sobre a transferência de 8% do recebido pelo município de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) para a manutenção da saúde pública. Esse repasse, que também é compulsório, soma R$ 1.084.928,78 e não foi feito até o momento.

“Vale lembrar que ambos os convênios acima explicitados, dão suporte também à pandemia de covid-19, sendo que a negativa do Poder Público Municipal em cumprir suas obrigações legais junto à sociedade e aos convênios firmados com a Santa Casa, colocam a entidade na iminência de ingressar em colapso financeiro-operacional”, cita.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Urgência e emergência

Existe ainda um terceiro convênio não repassado até o momento (previsto na lei 6.678, de 30 de janeiro de 2019) no valor de R$ 1,38 milhão, para subvencionar os serviços de atendimento de urgência e emergência.

“Tal lei culminou no convênio nº 14/2019, cujo mês de dezembro de 2020, não foi repassado até o momento, deixando os fornecedores e funcionários (inclusive de linha de frente do covid-19) sem o respectivo recebimento até o momento”.

Fora os três convênios, há outros valores em aberto com a administração, como o importe de R$ 2.622.209,88 do contrato de gestão referente ao ESF (Estratégia Saúde da Família).

A Santa Casa de Birigui afirma que os descumprimentos já foram objeto de protocolo junto às autoridades do Executivo municipal, porém nenhuma providência foi tomada.

Na ação, a Santa Casa pede gratuidade da justiça e que seja arbitrada multa diária de R$ 10 mil ao prefeito (Leandro Maffeis) e à secretária de Saúde (Adriana Sangaletti Lopes Duarte) em caso de descumprimento.

Outro lado

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Birigui, no final da tarde desta sexta-feira (22), para saber se é de conhecimento deles a ação e se houve alguma decisão em relação à liberação dos repasses. Assim que receber retorno, publicará a resposta.

 RECOMENDADO PARA VOCÊ
 EM DESTAQUE AGORA
VEJA TODOS OS DESTAQUES
 ÚLTIMAS EM JUSTIÇA
Franquia:
Araçatuba SP
Franqueado:
Connect Empresa Jornalística e Editora LTDA
32.184.870-0001/54
Editor responsável:
Aline Galcino - MTB: 43087/SP
aline.galcino@ata.hojemais.com.br
Todos os direitos reservados © 1999 - 2021 - Grupo Agitta de Comunicação.